Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Theatro Municipal de São Paulo vira modelo de restauração

Inovação, Obras Inovadoras 20 de julho de 2011

Arquitetos e engenheiros se uniram para recuperar construção original de um dos mais importantes patrimônios históricos do Brasil

Por: Altair Santos

Dia 12 de setembro de 2011, o Theatro Municipal de São Paulo festeja 100 anos de construção. Para celebrar o centenário, o patrimônio da capital paulista passou por uma nova intervenção arquitetônica. As obras começaram em 2008 e a reabertura ocorreu em junho de 2011. Inspirado na Ópera de Paris, e concebido pelos arquitetos Ramos de Azevedo e os italianos Cláudio e Domiziano Rossi, desta vez o teatro esteve sob os cuidados de duas arquitetas: Lilian Jaha e Rafaela Bernardes, do departamento de patrimônio histórico da Secretaria Municipal da Cultura – vinculada à prefeitura de São Paulo.

Theatro Municipal de São Paulo na época de sua inauguração, em 1911

Essa é a terceira vez que o Theatro Municipal passa por reformas. A primeira, em 1951, teve no comando o arquiteto Tito Raucht. Foi a que mais interveio nos espaços do teatro. Ocorreram modificações na sala de espetáculos, como o tratamento acústico, a retirada dos pilaretes de sustentação dos balcões e a mudança na disposição das poltronas, para eliminar os “pontos surdos” e “pontos cegos” da plateia. Para aumentar a boca de cena, foram eliminados os “camarotes de boca”, que deram lugar aos tubos do órgão Tamburini. Além disso, a área do teatro localizada do lado da Rua 24 de Maio, no centro de São Paulo, que continha os camarins dos artistas e dos figurantes, teve seu miolo completamente demolido, dando lugar a um novo edifício, ficando este setor com sete pavimentos, servido por dois elevadores.

A segunda obra ocorreu entre 1986 e 1991, já sob os cuidados do departamento de patrimônio histórico. Os serviços incluíram, além da modernização, a recuperação da infraestrutura do teatro. Assim, toda a instalação elétrica e hidráulica foi trocada. As fachadas, a ala nobre e a sala de espetáculos também passaram por restauração. Na época, no salão nobre, meticuloso trabalho de escoramento foi feito para salvar a pintura de Oscar Pereira da Silva, que ameaçava desabar do teto. O subsolo foi completamente escavado, criando-se o salão dos Arcos. Além disso, a cúpula foi remodelada para ser utilizada como sala de ensaios. Essa foi a reforma que mais precisou de intervenções na construção do prédio. “Devido ao estado precário de conservação do forro do salão nobre, foram substituídas algumas estruturas de estuque (um tipo de argamassa) por concreto. Houve também a escavação para criar o salão dos Arcos”, relatam as arquitetas Lilian Jaha e Rafaela Bernardes.

Já a mais recente intervenção na arquitetura do Theatro Municipal de São Paulo permitiu o restauro completo das fachadas e da ala nobre do edifício. Também foi realizada a modernização tecnológica do palco. Foram recuperados os elementos de pedra, as esculturas de bronze, as esquadrias de madeira e ferro, a cobertura de cobre e os vitrais. No caso do palco, todos os equipamentos de cenotecnia foram substituídos. Houve ainda um acréscimo do número de varas cênicas e da capacidade de elevação de carga das mesmas. O fosso da orquestra recebeu novo tratamento acústico e nova concha foi concebida para melhorar a sonoridade da sala. “Em virtude do aumento do número de varas e da capacidade de cargas, foi necessária a implantação de um reforço estrutural, na cobertura do palco, composto por treliças metálicas. Atualmente, as varas cênicas, que antes aguentavam 180 quilos, agora suportam 780 quilos”, revelam as arquitetas.

Desafio
A recuperação da fachada principal, em arenito, foi a que mais exigiu da equipe do departamento de patrimônio histórico. “O arenito é muito poroso e absorve muita água, o que causa degradação. Ela se inicia no interior para, então, atingir a superfície. Nas áreas em que essa degradação era extensa, foram colocadas próteses do mesmo material. Nas menores, foram realizadas obturações com material que utilizava pó do arenito e resina. A limpeza foi feita com jateamento de microesferas de vidro”, explicam Lilian Jaha e Rafaela Bernardes, que lideraram uma equipe de 60 profissionais. Segundo elas, como o Brasil tem um trabalho recente em recuperação de patrimônio, a mão de obra especializada para esse tipo de intervenção ainda é rara.

Dos profissionais envolvidos na obra estiveram engenheiros com várias especialidades, entre eles das áreas de mecânica, elétrica e civil. A reforma contou também com a participação de engenheiros químicos, que realizaram diagnósticos dos materiais a serem restaurados. No caso do Theatro Municipal de São Paulo, houve o cuidado de se utilizar produtos similares ao da construção original. Para o uso de argamassa, por exemplo, foram realizados testes laboratoriais para a recomposição de traço, buscando um material semelhante ao original. O mesmo ocorreu na recuperação do contrapiso do salão nobre do teatro e dos balaústres. “O projeto teve uma extensa pesquisa para ter uma aparência o mais próxima possível da que tinha na década de 1950, antes da primeira intervenção”, contam as arquitetas. A recuperação do patrimônio paulista custou R$ 28 milhões e os recursos vieram através de financiamento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e da própria prefeitura de São Paulo.

Restauração do arenito que reveste a fachada do teatro foi o maior desafio para a equipe que atuou na reforma


Entrevistadas
Arquitetas Lilian Jaha e Rafaela Bernardes, do departamento de patrimônio histórico da Secretaria Municipal da Cultura da prefeitura de São Paulo
Currículos

– Lilian Jaha é arquiteta formada pela PUC de Campinas
– Trabalha desde 1984 na Secretaria Municipal de Cultura, desenvolve projetos na área cultural, com destaque para as obras do Theatro Municipal de São Paulo, além de atuar também na organização e realização de exposicões e eventos culturais, como Brasil-Itália e Navegar é Preciso
– Como bolsista da Fundação Japão, na área de administração cultural, conheceu e pesquisou a arquitetura e as formas de administrar dos principais espaços culturais japoneses
– Concluiu em 2009 o curso de MBA (Master of Business Administration) do Instituto Mauá de Tecnologia
– Rafaela Bernardes é graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP)
– Tem pós-graduação em “Teoria e Prática da Preservação e Restauro do Patrimônio Arquitetônico e Urbanístico”, pela Universidade Católica de Santos
– Ocupa o cargo de arquiteta-chefe da seção Laboratório de Restauro/Divisão de Preservação, do departamento do patrimônio histórico da Secretaria Municipal da Cultura da prefeitura de São Paulo
Contato: smcimprensa@prefeitura.sp.gov.br / agajardoni@prefeitura.sp.gov.br (assessoria de imprensa)

Créditos Fotos: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Leia também: