Shopping ajuda construtora a aprimorar gestão

shopping2

Shopping ajuda construtora a aprimorar gestão

Shopping ajuda construtora a aprimorar gestão 500 350 Cimento Itambé
No Brasil, cresce número de empresas que estão se especializando em não apenas erguer empreendimentos, mas administrá-los

 

Por: Altair Santos

Até o final de 2012, mais 21 shopping centers serão inaugurados no Brasil, segundo dados da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). Destes, 70% são empreendimentos que, quando entrarem em operação, estarão sob a administração de construtoras. Essa tem sido a tendência desde 2006. Aproveitando o aquecimento do mercado, as empresas de engenharia não têm mais se contentado apenas em construir; passaram a assumir a gestão dos shopping centers.

Shopping center em construção no interior do Rio: mercado aquecido longe dos grandes centros.

Além do aspecto comercial, o envolvimento das construtoras com a administração de centros de compra melhora também o planejamento da obra. “A construtora passa a ficar mais atenta aos seus projetos, métodos construtivos e materiais empregados na construção, visando a otimização da operação do empreendimento, assim como a possibilidade de extrair do negócio o seu melhor custo benefício”, explica Leonardo Neves, gerente de negócios da empresa João Fortes Engenharia, que lidera o fundo de investimento Shopinvest.

Depois do mercado de construção de moradias, o de shopping centers é considerado pelas empresas o segundo mais aquecido do país. Principalmente por causa da interiorização dos empreendimentos. “Incentivada pela maior facilidade de encontrar bons terrenos a preços mais convidativos, e em locais ainda inexplorados, as empresas do setor partiram rumo a cidades menores, do interior ou inseridas nas regiões metropolitanas das capitais”, afirma Leonardo Neves. A J. Fortes, por exemplo, trabalha em empreendimentos em Cabo Frio e Volta Redonda, no Rio de Janeiro, e em Blumenau, em Santa Catarina.

Mantendo-se em alta, o mercado de shopping centers puxa para cima também o setor de construção em pré-moldados. Atualmente, 90% desses empreendimentos utilizam este sistema. Por isso, as empresas de engenharia investem também na qualificação de mão de obra. “Para construir shopping, a empresa não precisa mudar de foco, mas ter equipes específicas e preparadas para este ramo de atividade”, revela o gerente de negócios da empresa João Fortes Engenharia, cujos passos são seguidos pelo menos por outras 20 empresas especializadas em construir centro de compras.

Atualmente, as construtoras estão se dedicando a empreendimentos com tamanhos que variam de 25 mil a 40 mil m² de área bruta locável (ABL). Hoje, o país conta com 10.606.933 m² de ABL. Para 2013, serão acrescentados mais 1,233 milhão de m² a esse volume de área, de acordo com projeções da Abrasce. Serão lançados mais 43 projetos de shopping, dos quais 29 serão no interior do país. “Neste cenário, cada vez mais as construtoras estarão desenvolvendo seus próprios negócios no mercado de shopping”, avalia Leonardo Neves.

Entrevistado
Leonardo Neves, gerente de negócios da empresa João Fortes Engenharia
Currículo
– Graduado em engenharia civil, com MBA em engenharia econômica e administração
– Trabalhou cinco anos na Aliansce Shopping Centers, empresa do setor de shopping
– Atuou na Atlântica Residencial, empresa do mercado imobiliário
– Atualmente é gerente de negócios da João Fortes
Contato: www.joaofortes.com.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil