Reestruturação dos cursos de engenharia sai do papel

Mudanças curriculares focam em inovação, competitividade, empreendedorismo e parcerias entre universidades e empresas

Reestruturação dos cursos de engenharia sai do papel

Reestruturação dos cursos de engenharia sai do papel 1000 667 Cimento Itambé
universidades

Formação de engenheiros no século XXI deve ser mais interdisciplinar, integradora, empreendedora e humanística. Crédito: Cia. Cimento Itambé

A Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação deve levar para consulta pública, ainda em 2019, a reforma curricular das graduações de engenharia ofertadas no Brasil. O estudo começou em 2017 e considera propostas da Associação Brasileira de Educação em Engenharia (Abenge), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (Sesu/MEC) e do próprio Conselho Nacional de Educação (CNE). As mudanças curriculares focam em inovação, competitividade e empreendedorismo, no combate à evasão e na maior integração entre teoria e prática. 

Entre as alterações, estão formação baseada em competências, utilização de metodologias inovadoras de ensino e fortalecimento de parcerias com empresas. Para o diretor de assuntos acadêmicos do Instituto de Engenharia, Ângelo Sebastião Zanini, a formação de engenheiros deve ser mais interdisciplinar, integradora, empreendedora e humanística. Porém, não pode deixar de manter o foco nos fundamentos matemáticos, científicos e tecnológicos. “As atividades práticas de experimentação em laboratório também não podem ser minimizadas ou suprimidas”, ressalta.

Ao encaminhar a proposta de mudança na grade curricular dos cursos de engenharia, a Câmara de Educação Superior faz ressalvas que abrangem a queda do Brasil em índices internacionais de competitividade e inovação. “O Índice Global de Inovação (IGI), elaborado pela Universidade de Cornell, INSEAD e Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), mostra que o país caiu 22 posições entre 2011 e 2016, colocando-se em 69º entre 128 nações avaliadas, posição que manteve em 2017 e em 2018”, destaca o documento. Também é sublinhado o baixo número de engenheiros por habitantes. O Brasil hoje registra 4,8 graduados para 10 mil habitantes.

Proposta também defende que escolas de engenharia se tornem de vanguarda

Para atingir uma mudança curricular que realmente modernize o ensino de engenharia no Brasil, e consiga atrair os jovens, os organismos que estão envolvidos na reforma são unânimes quanto à necessidade das universidades conseguirem fortalecer parcerias com as empresas. Um exemplo bem sucedido é o intercâmbio técnico-científico que acontece entre a Cia. de Cimento Itambé e os cursos de engenharia civil de três universidades: a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e a FAE Curitiba.

Mas a proposta em estudo também defende que as escolas de engenharia se tornem de vanguarda e agreguem disciplinas optativas ao currículo, sem precisar que haja uma ação governamental para que isso ocorra. É o que a Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo-SP, fez em 2018 ao acrescentar a nova disciplina sobre túneis no curso de graduação de engenharia civil. Os alunos podem optar pela matéria “Túneis e Obras Subterrâneas” quando forem cursar o 10º período. Segundo a coordenadora do curso, a professora-doutora Magda Duro, a Mackenzie é a primeira instituição brasileira a trazer a disciplina de túneis para a grade curricular de graduação. “Estamos sempre atentos e focados nas demandas atuais do mercado, nas inovações acadêmicas e também nos interesses dos alunos”, diz a coordenadora, indo ao encontro do que a reestruturação dos cursos de engenharia irá propor. 

Entrevistados
Conselho Nacional de Educação
Associação Brasileira de Educação em Engenharia (Abenge)
Instituto de Engenharia

Contatos
imprensa@mec.gov.br
abengeestudantil@abenge.org.br
site@iengenharia.org.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no Massa Cinzenta e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil