Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Surge um novo nicho de mercado: o agroconcreto

Área Técnica, Sobre Concreto 14 de setembro de 2016

Agricultores investem em pequenas concreteiras móveis para atender demanda de até 100 m³/dia, em regiões em que as betoneiras não chegam

Por: Altair Santos

Lajes para estufas onde se faz a secagem do café: uma obra atendida pelo agroconcreto

Lajes para estufas onde se faz a secagem do café: uma obra atendida pelo agroconcreto

O agronegócio brasileiro desconhece a crise e cresce a taxas anuais superiores à mundial. Segundo dados da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), através de seu Deagro (departamento de agronegócios), a produção de arroz, feijão, trigo, milho, café, carnes, laticínios, ovos, soja, algodão e açúcar levará o país a deter mais de 50% do mercado mundial até 2023. Para dar sustentação a esse crescimento, os empresários do setor investem em infraestrutura – na maioria das vezes, por conta própria.

São silos, galpões, pavimentação de pequenos trechos de estrada, barragens, alojamentos, residências, enfim, obras que precisam de concreto. Ao mesmo tempo, o setor é carente de fornecedores do material. Nem todas as áreas rurais possuem concreteiras disponíveis. Por isso, alguns empreendedores do setor decidiram investir no agroconcreto, ou seja, vêm comprando minicentrais, com capacidade de até 100 m³/dia, a fim de suprir suas demandas por concreto e fornecer material para outros empreendimentos no entorno.

O empreendedor Ronaldo Coutinho, da cidade de Mutum, na região leste de Minas Gerais, é um exemplo. Ele adquiriu uma minicentral e fornece concreto em um raio de 80 quilômetros. Seus principais clientes são produtores de café. A maior demanda dos cafeeiros é por áreas planas (radier de concreto) para a secagem dos grãos. Segundo Coutinho, que também fornece material para pequenos construtores da região, o agroconcreto responde por 20% de sua produção mensal.

Pavimentação artesanal para facilitar o acesso de caminhões: outro tipo de obra que usa agroconcreto

Pavimentação artesanal para facilitar o acesso de caminhões: outro tipo de obra que usa agroconcreto

Este nicho de mercado tem se mostrado tão atrativo, que fabricantes de equipamentos decidiram projetar máquinas especialmente para atender o fornecimento de concreto para o agronegócio. Na mais recente edição do Concrete Show, realizada no final de agosto, na cidade de São Paulo-SP, uma parte da feira foi dedicada exclusivamente para o agroconcreto. O setor tem se revelado tão atraente, que até indústrias estrangeiras se instalaram no país para atender o mercado. A italiana Fiori é uma delas.

A fabricante apresentou ao mercado brasileiro o CBV (Concrete Batching Vehicle). Trata-se de um equipamento que é uma central sobre rodas. Com tração 4 x 4, ele pode trafegar em qualquer terreno. Além disso, carrega um minilaboratório a bordo, que possibilita pesar e medir todos os materiais componentes (brita, areia, cimento, água e aditivos). Segundo o fabricante, a máquina tem capacidade para fazer 20 tipos diferentes de concreto. Com vários tamanhos de balão, ela pode produzir de 1,1 m³ até 5,5 m³ por batelada.

Pré-fabricados
Além de movimentar o setor de equipamentos, o agroconcreto estimula também o mercado de pré-fabricados à base de cimento. São vários os artefatos consumidos atualmente por fazendas e sítios. De postes, que substituem os palanques de madeira, a estruturas para erguer galpões.

Quando não dá para concretar, produtor rural apela para o pré-fabricado

Quando não dá para concretar, produtor rural apela para o pré-fabricado

Segundo o mais recente anuário da ABCIC (Associação Brasileira da Construção Industrializada do Concreto), 12,5% dos associados indicaram crescimento na produção. Parte destes indicadores positivos veio das indústrias localizadas no interior dos estados das regiões sul e sudeste do país, e que aproveitaram as oportunidades geradas pela nova fronteira da construção pré-fabricada: o agronegócio.

Entrevistados
Deagro (Departamento de Agronegócios) da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) (via assessoria de imprensa
Fiori Group (expositor na Concrete Show)
ABCIC (Associação Brasileira da Construção Industrializada do Concreto)

 

Contatos
deagro@fiesp.org.br
abcic@abcic.org.br
fioridobrasil@fioridobrasil.com.br

Crédito Fotos: Divulgação/CETCAF

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: