Logística é peça-chave para indústria de pré-fabricados

Logística é peça-chave para indústria de pré-fabricados

Logística é peça-chave para indústria de pré-fabricados 150 150 Cimento Itambé

Por causa da precariedade na infraestrutura de transporte, e da carga tributária, distância máxima entre obra e fábrica deve ser de 200 quilômetros

Por: Altair Santos

A construção industrializada ganhou um importante impulso com a Copa do Mundo. Todos os 12 estádios escolhidos para sediar o evento de 2014 utilizam a tecnologia do pré-fabricado, assim como as obras de ampliação dos aeroportos. O setor também avança significativamente em empreendimentos como condomínios logísticos, indústrias, shopping centers e supermercados, mas não consegue se consolidar no segmento habitacional. Por dois motivos: logística e carga tributária. “Com a industrialização agregaríamos produtividade à questão habitacional, mas a tributação e a infraestrutura de transporte, por enquanto, inviabilizam isso”, explica Íria Doniak, presidente-executiva da Abcic (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto) em entrevista coletiva concedida recentemente no Concrete Show 2013.

Agnaldo Mafra Júnior e Iria Doniak, da ABCIC: Copa do Mundo ajudou a difundir estruturas pré-fabricadas

Em muitos casos, a logística dificulta mais o emprego da construção industrializada do que a carga tributária. “Como o Brasil tem pouca navegação de cabotagem e pouca ramificação ferroviária, o transporte das peças pré-moldadas depende das rodovias. Isso faz com que tenhamos que concorrer com o agronegócio, o que encarece o frete. Então, se estabeleceu um padrão de que, para que a construção industrializada possa ser competitiva, a distância entre a fábrica e o local da obra não pode ser superior a duzentos quilômetros”, explica Agnaldo Mafra Júnior, presidente do conselho estratégico da Abcic. “Essa questão da logística e dos impostos também impede que a construção industrializada tenha um preço definido do metro quadrado. Não dá para saber, pois o frete e o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias) variam de estado para estado”, completa Íria Doniak.

Somente em projetos especiais o limite de duzentos quilômetros entre fábrica e obra permite ser rompida. “Já fabriquei painéis alveolares em Florianópolis e levei de caminhão para Brasília, mas era uma obra que exigia componentes com tecnologia de vedação com alta precisão, e que só podiam ser produzidas em uma fábrica com fornos especiais. Quanto mais tecnologia embarcada há nas peças, mais difícil fabricá-las em canteiro de obras”, comenta Agnaldo Mafra Júnior, contando que, apesar dos empecilhos tributários e de logística, a construção industrializada tende a conquistar novos mercados. “Existe uma expansão de shopping centers em cidades médias e a energia eólica também aumentou a demanda por pré-fabricados de concreto“, completa o empresário, que também esteve na entrevista coletiva concedida pela Abcic no Concrete Show 2013 .

Por isso, continua o presidente do conselho estratégico da Abcic, é que cresce o interesse de trabalhadores em se especializar em construção industrializada. “Somos um setor que coloca cada vez mais mão de obra qualificada no mercado. São operadores de gruas, laboratoristas, projetistas, enfim, um legado que mostra que a industrialização da construção é irreversível”, diz. A Abcic conta atualmente com 104 associados, das quais 54 são empresas produtoras de pré-fabricados. Os demais são fornecedores da cadeia produtiva e profissionais que operam com a tecnologia. A principal norma do setor é a ANBT NBR 9062 – Projeto e Execução de Estruturas Pré-moldadas de Concreto.

Entrevistados
Engenheira civil Íria Doniak, presidente-executiva, e Agnaldo Mafra Júnior, presidente do conselho estratégico da Abcic (Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto) e diretor comercial da Cassol
Contato: abcic@abcic.org.br

Créditos fotos: Divulgação/ABCIC

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil