Lajes com EPS são seguras, mas precisam ser bem construídas

É preciso evitar erros relacionados à mão de obra que monta as placas de poliestireno e na hora da concretagem

Lajes com EPS são seguras, mas precisam ser bem construídas

Lajes com EPS são seguras, mas precisam ser bem construídas 1024 576 Cimento Itambé
laje com EPS

Aplicação do concreto e amarração correta das ferragens são passos importantes para o sucesso de uma laje com EPS. Crédito: Youtube

Lajes com EPS (Poliestireno expandido) são seguras, possuem capacidade de melhorar o desempenho térmico e acústico das edificações, são resistentes e ajudam a exercer menor carga sobre as estruturas. Essas são algumas das vantagens, mas também há desvantagens.

Principalmente, quando o projeto não leva em consideração características como espessura do material ou ocorrem equívocos relacionados à mão de obra responsável pela montagem das placas de EPS e pela concretagem. O escoramento durante a cura do concreto e a amarração das ferragens também são relevantes, assim como a hidratação do concreto durante o processo de cura.

Erros podem gerar transtornos, principalmente em prédios, prejudicando o desempenho da laje. Um dos cuidados é com a espessura do concreto sobre a laje, que deve ter pelo menos 3 centímetros. No caso da inserção de tubulações na laje, a espessura cresce para 4 centímetros, se os tubos possuírem diâmetro máximo de 12,5 milímetros.

Outro erro comum é furar ou quebrar as lajes, após montadas e concretadas, para passar conduítes e tubulações que estavam no projeto e foram “esquecidos”. Isso pode causar danos irreversíveis ao desempenho. É preciso cuidado também com o acabamento da laje com EPS. O recomendável é usar colas especiais que melhoram a adesão do chapisco de argamassa, para posterior aplicação do acabamento.

Bem construídas, as lajes que usam EPS agregam uma série de vantagens. Entre elas, a leveza. Uma laje com 200 m2 de área, que receba peças de EPS, pode ser até 10 toneladas mais leve que uma laje convencional. Isso significa menos impacto sobre as estruturas. Produtividade e segurança no canteiro de obras também estão entre os pontos positivos.

Outro requisito a favor é que o EPS usado na construção civil é da classe F, ou seja, recebe tratamento especial antichamas. Em caso de incêndio, as placas não propagam fogo e o material se extingue quando exposto a altas temperaturas. Por não cumprir função estrutural, não oferece risco à integridade da laje.

EPS também pode substituir brita para a produção de concreto leve

O EPS também serve de matéria-prima para a produção de concreto leve. Ele substitui os agregados graúdos e possibilita preparar um concreto que pode ser usado para a fabricação de blocos sem função estrutural, paredes de vedação ou servir para o nivelamento de contrapisos. O concreto leve requer o uso de aditivos que ajudam a criar uma camada de cimento em torno do EPS, impedindo que eles flutuem, possibilitando uma mistura mais homogênea.

A geotecnia é outra área que tem usado EPS com sucesso. A baixa densidade do material permite a utilização em muros de arrimo, estacionamentos, rampas de acesso, diques, barragens e obras viárias. As vantagens são desempenho térmico e resistência ao fogo, além de ser um material antimofo, facilitador do trabalho no canteiro de obras e que melhora a produtividade.

Entrevistado
Reportagem com base em web seminários sobre a aplicação do EPS na construção civil

Contato: contato@email.aecweb.com.br

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil