Promotor Maurício Antônio Ribeiro Lopes: não podemos esperar 10 anos para que a norma cause efeitos