Jogos corporativos: como, quando e onde aplicar?

Jogos corporativos: como, quando e onde aplicar?

Jogos corporativos: como, quando e onde aplicar? 150 150 Cimento Itambé

Estimular o trabalho em equipe, a estratégia e a agilidade nas decisões são alguns objetivos deste tipo de treinamento

Desde 2004, empresas brasileiras recorrem aos jogos corporativos para corrigir falhas de execução, ajustar departamentos ou, simplesmente, treinar os colaboradores para a implantação de novos sistemas. A meta é difundir, de forma lúdica, conceitos como trabalho em equipe, estratégia e agilidade nas decisões.

Normalmente customizados, os jogos corporativos são adaptados à cara de cada cliente por empresas especializadas. Os maiores clientes são indústrias, serviços e bancos. Na indústria, normalmente os jogos envolvem a compreensão da cadeia de suprimentos e dos balanços. Nos serviços, incluem noções sobre gestão de materiais e capacitação das equipes. Já os bancos usam para simular a interação entre a instituição, os clientes e o mercado financeiro.

Hilário Trigo

Ainda abrangendo uma parte pequena da cadeia produtiva do país – cerca de 8% -, os jogos corporativos têm a expectativa de decolar neste ano. Na opinião do especialista em Coaching & Desenvolvimento Organizacional, Hilário Trigo, a busca por competitividade das empresas, para concorrer no mercado externo, tende a valorizar esse tipo de treinamento. Confira a entrevista:

Como surgiram os jogos corporativos e com qual finalidade?
Os jogos corporativos surgiram basicamente com o intuito de criar simulações de cenários para testar pessoas em situações, mostrar suas atitudes em interações, pressão, conflitos e demais desafios do dia a dia. Têm como finalidade criar um ambiente seguro e simulado, onde experiências possam ser analisadas e então decisões possam ser tomadas, implementadas e testadas sobre tal cenário. Os jogos possuem uma analogia com o ambiente de trabalho real, geralmente são específicos e customizados para a organização.

Os jogos corporativos podem ser feitos no ambiente de trabalho ou eles funcionam melhor se houver deslocamento dos funcionários para hotéis e spas?
Quando os jogos trabalham questões técnicas, existe uma tendência de se fazer dentro da empresa, pois muitas vezes variáveis do trabalho real são utilizadas como referência. Ao contratar jogos para o desenvolvimento de pessoas e questões comportamentais, geralmente, os mesmos são realizados fora do ambiente, em hotéis e demais espaços preparados para as dinâmicas desenvolvidas. Particularmente, sou a favor de sempre realizar os processos de desenvolvimento fora da organização, levando o colaborador a um novo contexto, a um novo ambiente, propício para que o mesmo olhe para si e busque as respostas necessárias para seu autoconhecimento e transformação.

Quem aplica os jogos corporativos deve ter que tipo de treinamento?
Nos jogos apresentam-se questões comportamentais. Levamos o colaborador a olhar para experiências pessoais, as quais sempre possuem raízes psicológicas. Quando falamos em comportamentos, é importante entender que por trás de um comportamento existem emoções e, por trás de emoções, existem crenças. Essa é uma estrutura mental, e um psicólogo e um coach, e os demais profissionais que atuam com dinâmicas de grupo, devem estar preparados e habilitados para conduzi-las, sabendo o que fazer quando uma dificuldade se apresenta.

Quais tipos de jogos corporativos existem e, complementando, há algum que tenha se tornado ícone entre as empresas?
Existem vários jogos, específicos e segmentados por verticais de mercado. Há, por exemplo, o Software Tangram, o qual é amplamente utilizado nos cursos de Administração de Empresas. Dá para considerar também o Desafio SEBRAE como um dos mais importantes jogos corporativos em desenvolvimento no Brasil. O jogo é voltado para estudantes que estejam cursando o ensino superior e oferece uma oportunidade para que jovens, independentemente do curso de graduação que estejam fazendo, tenham contato com o ambiente e a dinâmica empreendedora através de um software exclusivo.
Saiba mais acessando: http://www.desafio.sebrae.com.br

Qual a diferença entre jogos corporativos e jogos cooperativos?
Nos jogos corporativos temos vencedores. Nos jogos cooperativos temos colaboradores. Quando o objetivo for desenvolver a cooperação, trabalhar coletivamente, fundamentar valores tais como responsabilidade, confiança, humildade, diálogo e ética, utiliza-se os jogos cooperativos. O propósito maior é o grupo ganhar.

Jogos corporativos podem ser feito via computador ou o ideal é que ele promova uma interação mais real entre os participantes?
São feitos das duas formas, dependendo sempre das necessidades da organização. Como exemplo, na Harvard Businnes Review de 05/2008, foi publicado um artigo sobre os laboratórios virtuais de liderança, onde empresas, como a IBM, estavam à frente do projeto. Nesses laboratórios, líderes buscavam se desenvolver através de jogos de computador, World of Warcraft, Eve Online, EverQuest, Lineage, Star Wars Galaxies e outros. Em depoimento, a IBM disse: Quase metade dos gerentes da IBM com experiência em jogos online para vários participantes disse que atuar como líder no jogo havia melhorado seu poder de liderar na vida real. Os jogos citados nesse artigo não são especificamente utilizados como jogos corporativos, no entanto, servem para ilustrar a capacidade de criatividade, inovação e flexibilidade do pessoal de recursos humanos da IBM.
Leia mais em: http://www.revistaharvard.com.br//index.php?option=com_content&task=view&id=247

Os jogos corporativos funcionam para qualquer tipo de empresas ou ele traz mais resultados apenas para as corporações com uma filosofia de RH bem consolidada?
Uma filosofia de RH não precisa estar consolidada para que a empresa se desenvolva com o uso de jogos corporativos. Perceba que o objetivo é a capacitação, seleção, treinamento. Vejo os jogos mais com uma ferramenta adicional para todo o processo, o que sim, pode vir a somar na consolidação de uma filosofia. Quanto melhor for a estrutura de RH de uma empresa, melhores serão suas pessoas e, consequentemente, melhores serão os resultados do negócio.

Os jogos corporativos não podem causar um efeito inverso, ou seja, despertar nos colaboradores um sentimento de competição acirrada dentro da corporação?
Com certeza, se forem conduzidos de forma errada. Sempre o propósito maior deve ser apresentado aos colaboradores, de forma que os mesmos sintam-se seguros e engajados em participar. Um alinhamento organizacional é necessário, enfatizando visão, missão e valores. Quando isso ocorre, a base é forte e dificilmente efeitos inversos acontecerão. Ao término de todo processo, um fechamento com aprendizados e insights é fundamental para a real absorção e consolidação dos aprendizados, de forma que o colaborador possa seguir adiante, em seu processo de evolução, com autonomia.

Entrevistado:
Hilário Trigo, especialista em Coaching & Desenvolvimento Organizacional:
htrigo@hilariotrigo.com.br
Site: www.hilariotrigo.com.br

Vogg Branded Content – Jornalista responsável Altair Santos MTB 2330

17 de fevereiro de 2010

VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil