Haroldo Pinheiro, presidente do CAU-BR: são dados extremamente preocupantes