Itália leva maior número de prêmios da MIPIM Awards

Porta Nuova: intervenção urbana transformou distrito segregado de Milão em novo centro cultural e empresarial. 
Crédito: MIPIM Awards


Itália leva maior número de prêmios da MIPIM Awards

Itália leva maior número de prêmios da MIPIM Awards 1024 575 Cimento Itambé

Premiação europeia é considerada o “Oscar da arquitetura”. Das 11 categorias contempladas, oito ficaram no Velho Continente

Criado em 1991, o MIPIM Awards é reconhecido atualmente como o “Oscar da Arquitetura”. Mais de cem países participam de sua eleição anual, que escolhe as construções mais relevantes, sob o ponto de vista arquitetônico. Na edição 2018, 3.100 escritórios de arquitetura, que empregam 24.500 profissionais, inscreveram obras erguidas em 500 cidades dos cinco continentes. Mas o país com mais projetos premiados foi a Itália, que venceu nas categorias prédio corporativo, shopping center e reestruturação urbana.

Na seleção das obras indicadas, França e a China eram os países com mais construções. Os franceses concorreram em quatro categorias: projeto para hotel (com duas indicações), projeto industrial, edifício verde e arquitetura residencial. Os chineses também concorreram em quatro categorias: projeto futurista (com duas indicações), shopping center, edifício corporativo e projeto industrial. O anúncio dos vencedores ocorreu dia 15 de março. Além da Itália, foram premiadas obras na Bélgica, em Cingapura, na França, na Alemanha, na Dinamarca, no Catar e no Vietnã.

Porta Nuova: intervenção urbana transformou distrito segregado de Milão em novo centro cultural e empresarial. 
Crédito: MIPIM Awards


Porta Nuova: intervenção urbana transformou distrito segregado de Milão em novo centro cultural e empresarial. 
Crédito: MIPIM Awards

Entre os projetos italianos que venceram, o mais emblemático é o Porta Nuova. Trata-se uma intervenção urbana na cidade de Milão, e que transformou um distrito segregado da cidade em um novo centro cultural e empresarial, o qual passou a atrair mais de 10 milhões de pessoas por ano. O Porta Nuova engloba edifícios residenciais e corporativos, além de interferência na mobilidade urbana e na recuperação de áreas verdes degradas do bairro milanês. O projeto foi liderado por um consórcio de escritórios italianos, britânicos e norte-americanos.

A obra de melhor prédio corporativo do MIPIM Awards também está localizada em Milão. É o edifício que abriga a fundação Giangiacomo Feltrinelli e a sede da Microsoft na Itália. Projetada pelo escritório Herzog & de Meuron, a edificação investe em aço, vidro e concreto pré-fabricado. Já o shopping FICo Eataly World, em Bolonha, foi projetado pelo arquiteto italiano Thomas Bartoli. A obra transformou uma antiga fábrica de alimentos em um centro comercial e, por isso, teve que atender rigoroso protocolo ambiental.

Entre as outras obras premiadas, estão a torre Maersk, prédio que abriga todos os cursos da área da saúde da universidade de Copenhague, na Dinamarca; o hotel e resort Abadia Michaelsberg Siegburg, que é administrado por padres católicos e que ganhou um complexo hoteleiro ao lado do mosteiro localizado em Colônia, na Alemanha, além do centro de logística Chapelle, construído em Paris, e que rendeu o único prêmio aos franceses na edição 2018 do MIPIM. Outra obra europeia premiada foi o prédio da autoridade portuária da Antuérpia, na Bélgica.

Fora da Europa, foram premiadas obras no Vietnã, em Cingapura e no Catar

Prédio da autoridade portuária da Antuérpia, na Bélgica: legado de Zaha Hadid
. Crédito: MIPIM Awards

Prédio da autoridade portuária da Antuérpia, na Bélgica: legado de Zaha Hadid
. Crédito: MIPIM Awards

A edificação passou por um retrofit e ganhou na categoria edifício reformado. O projeto é do escritório da arquiteta Zaha Hadid, que morreu em 2016. O prédio precisava ganhar um anexo, mas não podia ter sua área construída ampliada para os lados. A solução foi erguer um novo prédio sobre a estrutura antiga, preservando-a integralmente. Envidraçado, o novo edifício lembra um diamante gigante que reflete a luz solar e pode ser visto a quilômetros de distância, em qualquer local que se esteja na Antuérpia.

Na categoria prédio residencial, ganhou o Îlot Sacré, do escritório DDS +. Trata-se de um condomínio de apartamentos construído em Bruxelas, na Bélgica, e que valoriza o pedestre, excluindo a presença de veículos automotores. São permitidas apenas bicicletas. O diferencial do conjunto é o complexo de calçadas que, além de envolver os edifícios, também se estende para fora do condomínio, abrangendo o comércio local, escolas e o hospital mais próximo, permitindo que a mobilidade urbana valorize o caminhar.

Fora da Europa, foram premiados o projeto de cidade inteligente de Mui Dinh, no Vietnã; o museu nacional do Catar, vencedor na categoria obra futurista, e o edifício Marina One, em Cingapura, na categoria prédio verde. 


Entrevistado

Reportagem com base em material de divulgação distribuído pela assessoria de imprensa do MIPIM Awards
Contato: mipim@ing-media.com

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil