Anamaco avalia que contas inativas podem injetar R$ 2,5 bilhões no varejo da construção civil