Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Escassez de terrenos e novas tecnologias reativam conceito de casas geminadas

Gestão, Mercado da Construção 27 de outubro de 2011

Projetos têm conseguido bons resultados termoacústicos e arquitetônicos, o que volta a atrair empreendimentos classe A para esse modelo de construção  

Por: Altair Santos
A segunda fase do programa Minha Casa, Minha Vida, lançada no final do primeiro semestre de 2011, prevê que em projetos de conjuntos habitacionais horizontais (casas) se dê prioridade às construções geminadas. Uma das razões está relacionada à escassez e à valorização de terrenos. A outra é que se trata de um modelo em que é possível otimizar a alvenaria e as instalações hidráulicas e elétricas das habitações, reduzindo em até 5% o custo unitário da obra.

Gustavo Pinto, presidente da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura no Paraná (AsBEA-PR): bons projetos reduzem rejeição às casas geminadas

 

A definição de casa geminada se dá quando duas ou mais habitações têm plantas baixas iguais, porém rebatidas, usando uma mesma parede como divisória. Hoje, esse tipo de construção não tem servido apenas para programas habitacionais, mas passou também a ser incorporada por construções de alto padrão. Um dos motivos é que novas técnicas construtivas permitiram resolver três dos principais problemas que levavam à rejeição da casa geminada: a iluminação e as questões acústicas e térmicas.  

Segundo Gustavo Pinto, presidente da AsBEA-PR (Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura no Paraná) boa parte dos projetos hoje já consegue compensar luminosidade e ventilação, além de reduzir satisfatoriamente o impacto termoacústico. “Desde que se execute a técnica adequada, trabalhando com paredes duplas e manta de isolamento, tem-se uma sensível redução destas desvantagens da casa geminada”, afirma. “Agora, se não usar a técnica adequada você passa a ter dificuldades”, completa.  

Na opinião do arquiteto, a vantagem da casa geminada é que ela possibilita explorar ao máximo o potencial construtivo do terreno. “Ela permite concentrar a área edificada numa parte do terreno e libera outras para recreação, circulação e estacionamento”, diz. Por isso, cresce o número de projetos classe A de casas geminadas. “Em São Paulo, atualmente, no bairro do Morumbi, há muito projetos assim”, afirma.  

A maioria das capitais brasileiras conta com legislação específica para construções geminadas ou aborda os padrões deste tipo de casa em seu código de posturas e obras do município. Já em algumas cidades do interior não há um regramento claro. Com as novas normas do Minha Casa, Minha Vida 2, há prefeituras obrigadas a legislar sobre o assunto. É o caso de Maringá, no noroeste do Paraná, que recentemente determinou que casas geminadas só poderão ser construídas em terrenos com, no mínimo, 400 m².  

Para Gustavo Pinto, Curitiba é a cidade com uma das legislações municipais mais bem acabadas sobre casas geminadas. “Ela dá parâmetros muito claros de como você pode ocupar esse tipo de construção no terreno, mantendo a qualidade espacial mínima, principalmente das áreas comuns”, diz o arquiteto. Isso talvez explique o sucesso de construções geminadas na capital paranaense, principalmente sob a forma de sobrados.  

Nada se compara, porém, em que se transformou a casa geminada na Inglaterra. O modelo hoje é um padrão cultural entre os britânicos. “Na Inglaterra, existem bairros inteiros com casas geminadas de quadra a quadra. Nos fundos, eles transformam tudo em área comum e em área de recreação. Isso é cultural e vem desde a revolução industrial, motivada também pela questão de ocupação, de eles terem menos áreas para construir”, afirma o presidente da AsBEA-PR, para quem os ingleses deixaram um legado para o mundo sobre construção de casas geminadas. “Eles desenvolveram projetos arquitetônicos interessantes e bem compatibilizados sob o ponto de vista hidráulico, elétrico e estrutural”, finaliza.  

Casas geminadas: cidades como Curitiba e São Paulo incentivam construções geminadas

 

Entrevistado
Gustavo Pinto, presidente da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura no Paraná (Asbea-PR)
Currículo
– Arquiteto, presidente da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura no Paraná (AsBEA-PR) e proprietário da GP Arquitetura
– Tem de 20 anos de experiência profissional em desenvolvimento de projetos residenciais, hospitalares e corporativos

Créditos foto: Divulgação  

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Leia também: