Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Empresa analítica é sinônimo de líder de mercado

Comportamento e Carreira, Empreendedorismo, Gestão, Gestão Estratégica 5 de outubro de 2012

Há cinco estágios a serem superados pelas companhias que queiram adotar esse conceito de gestão em seus departamentos

Por: Altair Santos

A concepção de empresas analíticas está entre as novidades corporativas que começam a ser implantadas no Brasil. Mais do que um conceito, o método se sustenta em cinco etapas que precisam ser superadas pelas companhias para que elas atinjam esse grau de desenvolvimento. Segundo a professora Maria Angélica Lencione Pedreti, da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e das Faculdades Oswaldo Cruz, em São Paulo, as corporações líderes são as mais sintonizadas com esse modelo de gestão. “Não diria que as líderes de mercado têm mais perfil para serem líderes analíticas, mas o oposto: uma líder analítica constrói um sistema de decisões que a aproxima do sucesso de forma sustentável, por que ela analisa para competir melhor”, resume.

Maria Angélica Lencione Pedreti, da FGV: escolas de administração já se preocupam em formar líderes analíticos.

Baseando-se em estudos dos pesquisadores norte-americanos Thomas H. Davenport e Jeanne G. Harris, que lançaram o livro “Competing on Analytics: The New Science of Winning”, Maria Angélica Lencione Pedreti resume quais são as cinco etapas que levam as corporações a alcançar o perfil de empresa analítica. “O primeiro estágio é quando a empresa decide buscar no passado uma explicação para seus negócios, com o intuito de melhorar suas operações. No segundo, passam a ser usadas métricas para que ela faça da interpretação do passado um retorno ao investimento. No terceiro estágio, a empresa se preocupa em entender o presente e faz análises para prever o futuro. No quarto, ela passa a inovar. No quinto, encontram-se as que construíram vantagens competitivas sustentáveis”, explica.

A professora da FGV destaca que, em tese, qualquer corporação pode superar os cinco estágios para se tornar uma empresa analítica, desde que ultrapasse obstáculos tecnológicos, comportamentais e gerenciais. Para isso, é necessário que ela tenha um líder analítico, cuja virtude é orientar suas decisões pelas informações corretas e saber fazer elas chegarem aos vários sistemas da companhia. Isso serve também para empresas familiares, ressalta. “Desde que a alta administração tome decisões fundamentadas em análises e não apenas em sentimentos não objetivos, as empresas familiares podem ser líderes analíticas. Para isso, elas precisam percorrer, é claro, os estágios deste processo de desenvolvimento”, completa.

O conceito de empresa analítica ainda é muito recente no Brasil. “Avalio que a evolução é uma consequência. As empresas que entraram no processo anos atrás já avançaram e alcançaram estágios superiores. Seu exemplo de sucesso tende a motivar novas investidas”, analisa Maria Angélica Lencione Pedreti, para quem as escolas de administração têm sido importantes por já desenvolverem disciplinas para formar líderes analíticos. “Os cursos passaram a contemplar mais horas para análises, estatística e econometria, que são habilidades essenciais aos líderes analíticos. Mas o conhecimento sobre o mercado em que se atua e a experiência também são essenciais”, afirma.

No dia a dia, uma empresa analítica se manifesta na postura dos colaboradores. Funcionários que analisam cada informação antes de tomar decisões, e que a relacionam com outras informações, posicionando a companhia à frente do mercado e antecipando-se ao cliente, são os que têm o perfil para atuar nesse modelo de corporação. Segundo a especialista da FGV, organismos governamentais, por serem altamente regulados e compartilharem poucas informações, têm mais dificuldades para alcançar o grau de empresa analítica. Por outro lado, ela cita a Disney como um modelo mundial. “A Disney mantém os chamados olhos e ouvidos, que são funcionários que observam os convidados o dia todo e se antecipam às suas necessidades. Esta competência permite que ela tenha acesso a diversos mercados, o que a torna ainda mais sustentável”, elogia.

Entrevistada
Maria Angélica Lencione Pedreti, da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e das Faculdades Oswaldo Cruz
Currículo
– Maria Angélica Cristino Lencione Pedreti é graduada em administração de empresas pela Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (1995) e mestre em administração de empresas pela Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (1999)
– Atualmente é professora da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, administradora na Camil Alimentos S/A e professora das Faculdades Oswaldo Cruz
– Tem experiência na área de administração, com ênfase em administração financeira, atuando principalmente nos seguintes temas: custo de capital, custos, investimento, financiamento e capital de giro
Contato: maria.lencione@fgv.br

Créditos foto: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330


Leia também: