Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Rumos econômicos do país alicerçaram debates no ENIC

Agenda de Eventos, Gestão, Mercado da Construção, Universidade e Pesquisa 18 de maio de 2016

Em sua 88ª edição, Encontro Nacional da Indústria da Construção avaliou mudança na presidência da República e as consequências para o setor

Por: Altair Santos

Considerado o evento mais tradicional para a cadeia produtiva da construção civil brasileira, o ENIC (Encontro Nacional da Indústria da Construção) promoveu de 11 a 13 de maio de 2016 a sua 88ª edição. Nos anos anteriores, seus fóruns foram dominados por debates técnicos. Agora, o viés político e econômico se sobrepôs aos outros temas. Realizado em Foz do Iguaçu-PR, o ENIC coincidiu com o afastamento da presidente Dilma Rousseff e da posse do presidente em exercício Michel Temer. Esta mudança, segundo os agentes envolvidos no encontro, terá efeitos diretos na construção civil.

José Carlos Martins, presidente da CBIC: “Precisamos estar preparados para as mudanças que nos esperam”

José Carlos Martins, presidente da CBIC: “Precisamos estar preparados para as mudanças que nos esperam”

Com o slogan “O futuro nós construímos”, o ENIC, encabeçado pela CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), procurou reunir especialistas para apontar soluções que permitam ao setor retomar o crescimento e se reinventar diante dos desafios impostos ao Brasil. “Precisamos nos organizar nesse cenário e, principalmente, estar preparados para as mudanças que nos esperam”, sintetizou José Carlos Martins, presidente da CBIC. “Temos que criar uma pauta positiva e propositiva, algo muito maior do que os desafios impostos até agora à nossa geração”, disse o presidente do SindusCon Oeste-PR, Edson José Vasconcelos, anfitrião do encontro.

Para o economista e consultor internacional de negócios, Cláudio Frischtak, a retomada de crescimento do Brasil passa pelas concessões de obras de infraestrutura. Segundo ele, atrair investidores para melhorar rodovias e portos, tornando-os escoadouros eficazes do já competitivo agronegócio nacional, pode abrir uma nova janela de oportunidades ao país. “Existe a expectativa de um novo ciclo de commodities, impulsionado pelo crescimento da Índia. Nos próximos dez anos, a Índia experimentará situação semelhante à vivida pela China ao longo da primeira década dos anos 2000, com explosão na procura por alimentos e recursos minerais”, estima o analista.

Gesner Oliveira: construção civil é segmento-chave para voltar a gerar emprego

Gesner Oliveira: construção civil é segmento-chave para voltar a gerar emprego

Segmento-chave

O economista Gesner Oliveira, sócio-fundador da GO Associados, segue a mesma linha de Cláudio Frischtak. Para ele, se o Brasil quiser recuperar minimamente sua economia em 2017 deve investir na construção civil. “Há uma boa perspectiva de uma modesta recuperação da economia em 2017. Obviamente, por seu potencial de geração de empregos, grandes oportunidades para atração de investimentos em infraestrutura e capacidade de se transformar, a construção civil é um segmento-chave em diversos aspectos para a recuperação da economia brasileira. Essa pode ser a saída para o drama de 11 milhões de desempregados do país”, disse o consultor.

Temas como ética e responsabilidade social, motivados pelos efeitos da Operação Lava Jato em algumas das maiores empreiteiras do país, também foram abordados no ENIC. Segundo o psicólogo e consultor em gestão empresarial, Waldez Ludwig, as empresas ligadas à construção civil precisam desenvolver conceitos como responsabilidade social e sustentabilidade. “Responsabilidade social não é filantropia e nem assistencialismo. É um modelo de gestão que fortalece as empresas e as torna mais competitivas. A responsabilidade social diz respeito ainda a aceitar e abraçar a diversidade de pensamentos, tornando-se estratégia para a melhoria da reputação da marca, que junto com sustentabilidade e ética são avaliados constantemente por concorrentes e clientes. Essa deve ser a missão das empresas do setor a partir de agora”, concluiu.

Waldez Ludwig: após a Lava Jato, empresas devem se pautar pela responsabilidade social e pela ética

Waldez Ludwig: após a Lava Jato, empresas devem se pautar pela responsabilidade social e pela ética

Entrevistados

Engenheiro civil José Carlos Martins, presidente da CBIC; Edson José Vasconcelos, presidente do SindusCon Oeste-PR; Cláudio Frischtak, economista e consultor internacional de negócios; economista Gesner Oliveira, sócio-fundador da GO Associados, e Waldez Ludwig, psicólogo e consultor em gestão empresarial (com base em depoimentos e palestras no 88º ENIC)
Contato: 88enic@sindusconoestepr.com.br

Créditos Fotos: Divulgação/ENIC

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: