Natureza inspira domo de concreto sem estrutura de apoio

Pequenas passarelas sobre ferrovias também podem se beneficiar da invenção

Natureza inspira domo de concreto sem estrutura de apoio

Natureza inspira domo de concreto sem estrutura de apoio 1024 623 Cimento Itambé

Desenvolvida pela Universidade de Tecnologia de Viena, construção usou conceitos que sustentam as conchas das ostras e os cascos das tartarugas

Por: Altair Santos

Para resgatar a construção de cúpulas e abóbodas sem estruturas de apoio – algo que a engenharia considera obras artesanais e, por isso, demoradas –, a Universidade de Tecnologia de Viena, na Áustria, desenvolveu pesquisa para encontrar uma tecnologia à base de concreto que reinventasse essas modalidades arquitetônicas. Para chegar ao material ideal, os professores Johann Kollegger e Benjamin Kromoser inspiraram-se na natureza. Copiaram conceitos que mantêm as conchas e os cascos das tartarugas com o formato côncavo. A solução veio de um engenhoso sistema que envolve placas de concreto, barras metálicas e uma membrana inflável instalada embaixo destas estruturas.

Domo testado na UT de Viena ganha formato de abóboda após ser erguido por uma estrutura inflável

As placas de concreto são ajustadas formando uma figura geométrica e mantêm-se conectadas por barras metálicas. Quando a membrana é inflada, o domo assume a forma desejada pelos engenheiros e as barras passam a funcionar com travas para que a estrutura não se desmonte. “É como um escudo que se arma. As lajes de concreto são montadas no chão, sobre a membrana plástica. Quando ela infla, as peças vão se ajustando, tensionando um cabo de aço, o qual trava as barras metálicas e encaixa uniformemente as lajes de concreto”, explica Johann Kollegger. Quando as placas de concreto se juntam, as membranas podem ser desinfladas sem prejudicar a estrutura.

De acordo com Johann Kollegger e Benjamin Kromoser, que são professores do Instituto de Estruturas de Construção da Universidade de Tecnologia de Viena, o importante era provar que é possível, com a nova tecnologia, produzir formas livres complexas. Por isso, eles se limitaram a fabricar um protótipo com cúpula com 2,90 metros de altura. Os pesquisadores, no entanto, asseguram que podem construir estruturas com até 50 metros de altitude. Outra vantagem, segundo os professores, é que, além do tempo extremamente curto para viabilizar estas estruturas, elas são bem mais baratas que a construção de domos pelo sistema convencional. “Imaginamos que o custo é 1/3 da construção tradicional”, estima Benjamin Kromoser.

Além de domos para shows e assembleias, as estruturas inventadas na Áustria podem servir também para fabricar conchas acústicas para recitais ao ar livre e passarelas para transpor linhas férreas. Nos testes, os pesquisadores detectaram que quando a concha de concreto se forma, as placas apresentam pequenas fissuras. Eles asseguram que isso não impacta na segurança. “Isto também ocorre em cúpulas construídas de forma convencional. Além disso, o revestimento com argamassa impermeável encobre as fissuras”, afirma Johann Kollegger, que após patentear a invenção agora tem a expectativa de que a o mercado se disponha a produzi-la em série.

Construção pode ser útil para construir conchas acústicas ao ar livre

Pequenas passarelas sobre ferrovias também podem se beneficiar da invenção

 

 

 

 

 

 

 

Membranas infláveis são instaladas abaixo da estrutura onde serão montadas as placas de concreto

As placas de concreto são montadas sobre as membranas infláveis e vão se ajustando, através de barras metálicas e cabos de aço, até formar a cúpula

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Veja vídeo sobre a nova tecnologia para construir cúpulas

Entrevistados
Engenheiros Johann Kollegger e Benjamin Kromoser, professores do Instituto de Estruturas de Construção da Universidade de Tecnologia de Viena
Contatos
johann.kollegger@tuwien.ac.at
benjamin.kromoser@tuwien.ac.at

Crédito fotos: Divulgação/TU View

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil