De 40 mil pontes em rodovias, só 7% recebem manutenção

De 40 mil pontes em rodovias, só 7% recebem manutenção

De 40 mil pontes em rodovias, só 7% recebem manutenção 150 150 Cimento Itambé

Apenas trechos privatizados conservam suas obras de arte. Situação mais crítica ocorre em estradas sob a jurisdição do Dnit

Por: Altair Santos

Auditoria realizada em abril de 2012 pelo Tribunal de Contas da União (TCU) revela que o Sistema de Gerenciamento de Obras de Artes Especiais (SGO) não sofre atualização desde 2004. O SGO é responsável por verificar as estruturas de pontes e viadutos nas rodovias sob a jurisdição do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). Assim, o levantamento do TCU concluiu que pelo menos 3.351 construções, das 4.469 aos cuidados do Dnit, encontram-se em situação que variam de “condições precárias” a “mau estado de conservação”. 

Júlio Timerman, ex-presidente da ABECE: falta de manutenção foi abordada no V Congresso Brasileiro de Pontes e Estruturas

Conforme o levantamento realizado pelo TCU, as obras estão distribuídas por uma malha superior a 50 mil quilômetros de rodovias federais e estima-se que representem, conjuntamente, um patrimônio de R$ 13 bilhões. No entanto, segundo a Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (ABECE) os números podem estar subestimados. Na avaliação da ABECE, o país conta atualmente com 1.800.000 quilômetros de rodovias, dos quais 200 mil são pavimentados e que contam com 40 mil pontes e viadutos espalhados pelo território nacional, entre estradas sob jurisdição federal e estadual.

Por isso, o ex-presidente e integrante do conselho deliberativo da ABECE, Júlio Timerman, tem uma análise diferente da feita pelo TCU. “A manutenção rotineira em obras de arte tem se restringido aos trechos de rodovias concedidos à iniciativa privada, que representa cerca de 7% da malha rodoviária. Por isso, os problemas em pontes e viadutos devem ser avaliados e priorizados, para então se fazer uma gestão da manutenção em função da criticidade das anomalias levantadas”, avalia. Ainda segundo Timerman, a cultura de intervenções superficiais é que resultam em relatórios preocupantes como o do TCU.

Atentas à falta de manutenção das obras de arte especiais, a ABECE e a ABPE (Associação Brasileira de Pontes e Estruturas) dedicaram relevante atenção a esse problema no V Congresso Brasileiro de Pontes e Estruturas, onde foram debatidos sistemas construtivos, projetos, concepções estruturais e também manutenção em pontes e viadutos. “Infelizmente, as autoridades e entidades que administram as rodovias federais e estaduais estiveram pouco presentes para debater esse importante problema. Mesmo assim, o congresso serviu como um fórum adequado para se discutir e procurar soluções para as estradas não concedidas”, disse Timerman.

Ponte na BR-101, entre a divisa de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul: exemplo de obra de arte que carece de manutenção periódica no Brasil

O V Congresso Brasileiro de Pontes e Estruturas ressaltou que devem ser feitas inspeções rotineiras anuais e inspeções mais aprofundadas a cada cinco anos nas obras de arte especiais. Estes prazos podem variar em função do quadro de anomalias existentes nas pontes e viadutos. “Todas as concepções estruturais sofrem as consequências da falta de manutenção das pontes e viadutos. Mas é sabido também que uma ponte projetada e executada segundo as normas nacionais vigentes apresentará uma longa durabilidade”, evidencia o ex-presidente da ABECE.

Timerman destaca ainda que uma obra bem projetada e executada, com uma manutenção periódica de pequeno custo, apresenta vida útil ilimitada. “Temos obras brasileiras com 70 anos de vida em perfeito estado de conservação. O maravilhoso livro “Pontes Brasileiras”, do Prof. Augusto Carlos de Vasconcelos, ilustra alguns belos exemplos”, relata, finalizando que a manutenção correta faria o país economizar bilhões de reais. “Uma pequena anomalia hoje pode se transformar em um problema de grande complexidade, levando à interdição de uma rodovia. Isso custa muito dinheiro”, completa.

Entrevistado
Júlio Timerman, ex-presidente (gestão 2002-2004) e integrante do conselho deliberativo da ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural)
Currículo
– Graduado em engenharia civil pela EPUSP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo)
– É delegado regional da ABECE (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural) em São Paulo/SP e membro do conselho deliberativo
– É coordenador do Comitê Técnico de Pontes e Grandes Estruturas constituído pela ABECE em 2009 para propor ações para melhoria da qualidade e competitividade dos projetos e serviços ligados à construção de pontes e grandes estruturas
– Também é vice-presidente do IABSE (International Association for Bridge and Structural Engineering) e do Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto)
–  Atua como consultor na área de projetos de reabilitação e recuperação de estruturas para diversas concessionárias de rodovias, com intervenções em mais de 100 mil metros quadrados de tabuleiros
– Ocupa o cargo de diretor da Engeti Consultoria e Engenharia
Contato: abece@abece.com.br

Créditos fotos: Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil