Contra apagão de talentos, empresas investem em programas de trainees

Contra apagão de talentos, empresas investem em programas de trainees

Contra apagão de talentos, empresas investem em programas de trainees 150 150 Cimento Itambé

Recrutados encontram muito mais desafios pela frente e, em contrapartida, precisam mostrar planejamento de carreira e capacidade para trabalhar em equipe

Por: Altair Santos

Em 2010, a IBM realizou uma pesquisa que chamou de “CEO Study”. Nela, foram colhidas opiniões de 1,5 mil lideranças empresariais de 60 países, ligadas a 33 setores diferentes da economia. No Brasil, 66 fizeram parte do levantamento. O que chamou a atenção foi que 71% deles disseram que o que mais os preocupa no país é o “apagão de talentos”. Eis aí um dos motivos que têm levado as corporações a fortalecerem seus programas de trainees. Para descobrir novos talentos, elas hoje oferecem cada vez mais desafios aos jovens, mas também exigem como contrapartida planejamento de carreira e capacidade para trabalhar em equipe.

Adilséia Soriani Batista: “A participação das lideranças da corporação é essencial dentro de um bom programa de trainee.”

Segundo a professora-mestre em gestão de negócios e Recursos Humanos, Adilséia Soriani Batista, que recentemente conquistou o prêmio “50 RHs Mais Admirados do Brasil”, o que as empresas estão oferecendo atualmente é muito mais do que um treinamento. “Elas estão fazendo um intensivo plano de desenvolvimento destas pessoas. As organizações têm muito claras suas demandas, e passaram a aprimorar cada vez mais o processo de seleção para saber quem são os colaboradores que trabalham com ela e para ela”, avalia a especialista.

Um processo comum nos novos programas de treinamento é o trabalho rotativo, onde o recrutado percorre as várias áreas da empresa para ver em qual ele desempenha melhor. “Isso é muito salutar, pois permite ao jovem entender como funciona a empresa e possibilita à empresa ver em qual ambiente da organização ele pode render mais”, explica Adilséia Soriani Batista. Por outro lado, completa a gestora em RH, o trabalho rotativo também vai de encontro ao que as novas gerações buscam – principalmente a chamada geração Y -, que são as tarefas desafiadoras.

Atualmente, os jovens em fase final de conclusão de curso universitário ou recentemente formados, na faixa etária entre 22 e 26 anos, são os que mais ocupam os programas de trainees nas empresas. As corporações também passaram a garimpar talentos nas redes sociais, aplicando testes de pré-seleção via Facebook, Twitter e LinkedIn. “Essa opção pelas redes sociais também acaba sendo uma boa fonte para ajudar no recrutamento, já que esse público hoje se encontra lá”, afirma Adilséia.

Um bom programa de treinamento dura de um a três anos. “É o tempo ideal para que ele possa se desenvolver e assumir uma posição sólida na empresa”, diz a especialista, que defende que programas de trainee não fiquem limitados apenas à gestão do RH da companhia. “A participação das lideranças da corporação é essencial dentro de um bom programa de trainee. Eles é que vão passar para o treinado a convicção de que ele está em um ambiente corporativo que vai desenvolvê-lo”, completa.

Outro item importante em um programa para selecionar jovens talentos é o retorno que o gestor vai passar ao treinado. “Ele precisa ser constantemente informado para corrigir eventuais falhas e se sentir motivado para seguir em frente. Normalmente, um erro cometido pelos programas de treinamento é que eles dão o retorno apenas no final, e aí não dá tempo para recuperar um talento em potencial”, cita a gestora em RH, dizendo que o oposto também ocorre, ou seja, o desinteresse do treinado. Neste caso, ela comenta que o jovem deve estar focado no desenvolvimento, não no salário. “O programa serve para despertar o talento e questioná-lo sobre o que ele quer de sua escolha profissional. Isso é fundamental para o seu processo de crescimento.”

Por fim, Adilséia Soriani Batista lembra que é importante também para as empresas não confundirem estágio com programa de treinamento, que é muito mais complexo. “O estagiário não tem o status diferenciado dentro das organizações como tem o treinado. Esse passa por sessões de conversas muito mais continuadas e é submetido a programas de treinamento mais intensamente. Ele tem a oportunidade de rodar por várias áreas da organização, coisa que o estagiário não faz. Então, há uma grande diferença”, conclui.

Entrevistada
Adilséia Soriani Batista, especialista em gestão de RH
Currículo

– Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), em 1985
– Pós-graduada em duas especializações: Administração de Recursos Humanos e Psicologia Organizacional e do Trabalho
– Mestre em Administração-Gestão de Negócios, pela UEL, em 2003
– Profissional com larga experiência na área de Recursos Humanos, atuando em todos os subsistemas com mais de 26 anos de experiência
– Atualmente é Gerente de Recursos Humanos da Belagrícola e Professora efetiva da Faculdade Pitágoras, além de atuar como professora convidada de cursos de pós-graduação de Instituições como PUC-PR, UNIFIL, UNOPAR, INESUL, UNIOESTE e FGV
– Ganhadora dos prêmios “50 RHs Mais Admirados do Brasil”, nas edições 2010 e 2011
Contato: adilseia@gmail.com

Crédito foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil