Construção civil pode ser importante indutor da sustentabilidade

Construção civil pode ser importante indutor da sustentabilidade

Construção civil pode ser importante indutor da sustentabilidade 150 150 Cimento Itambé

Setor já trilha a linha da economia verde na área residencial, mas precisa de maior engajamento da construção pesada, avalia especialista da Fundação Getúlio Vargas

Por: Altair Santos

Pesquisa recentemente encomendada pela MIT Sloan Management Review – revista norte-americana especializada em sustentabilidade e inovação – mostra que mais da metade da cadeia produtiva da construção civil (54%), a nível global, já adota estratégias de sustentabilidade. Para a coordenadora do Programa Finanças Sustentáveis e Sustentabilidade Empresarial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Roberta Simonetti, trata-se de um sinal positivo, mas é preciso mais. “É importante engajar a outra metade. No caso do Brasil, principalmente a construção pesada”, diz.

Roberta Simonetti

Segundo a especialista, convencer esse segmento da construção civil é crucial para que o setor torne-se indutor da sustentabilidade no país. “A construção civil, por depender do uso de uma série de produtos carbointensivos de grande impacto ambiental, pode ser um bom indutor de melhorias nos demais segmentos. O problema é que, especialmente na construção pesada brasileira, o setor concentra-se num pequeno número de grandes empresas que, aparentemente, ainda não estão muito dispostas a mudar a forma de atuação”, avalia.

Simonetti analisa que no Brasil o setor de construção residencial já iniciou um movimento em direção à sustentabilidade, mas é pouco se comparado com países desenvolvidos da Europa. “Há um movimento natural de países desenvolvidos, com um elevado nível de educação e com poucos recursos naturais, em buscar novas tecnologias. Países que não possuem reservas de petróleo e nem grandes rios para gerar energia hidrelétrica saem na frente”, afirma.

Holanda e Alemanha são exemplos, por estarem investindo em construções de casas capazes de absorver calor de forma eficiente no inverno, reduzindo a necessidade da energia fóssil e de energia nuclear. “A eficiência energética é outro ponto de grande relevância quando se fala da contribuição que a construção civil pode dar. Até 75% da energia consumida por um edifício está na fase pós-construção. Se todas as construtoras considerassem a melhor tecnologia disponível para a redução do consumo de energia ao longo do ciclo de vida de um edifício, poderíamos chegar a uma redução estimada entre 25 e 30% da demanda energética do setor”, calcula.

Roberta Simonetti, no entanto, avalia que faltam incentivos governamentais para estimular a construção civil a dar passos mais rápidos em direção a práticas sustentáveis. “Isso tem um custo que, quando incorporado ao preço de um imóvel, o torna mais caro do que os concorrentes não-sustentáveis. Se existissem políticas claras e eficazes de incentivo à eficiência energética, que tornassem esse cenário menos distorcido, as construções sustentáveis ganhariam espaço”, completa.

Falta consenso sobre o que é sustentabilidade

Na entrevista a seguir, a coordenadora do Programa Finanças Sustentáveis e Sustentabilidade Empresarial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Roberta Simonetti, analisa que, assim como o Brasil, boa parte do planeta ainda está procurando entender os conceitos de sustentabilidade. Para ela, falta consenso, o que torna o discurso um e a prática outra. Confira:

Os líderes empresariais parecem já ter percebido a importância de adotar políticas de sustentabilidade nas corporações. Mas até que ponto o discurso e a prática têm andado juntos?

Alguns líderes perceberam e já iniciaram um movimento crescente, porém ainda não é uma visão amplamente difundida. Dentre aqueles que adotaram tais práticas, nem todos as aplicam da mesma maneira, com a mesma profundidade e intensidade. O caminho da sustentabilidade nem sempre é uma escolha autêntica. Ouvimos dizer: “Não importa se a escolha é por convicção ou por conveniência, o importante é fazer”. Eu discordo em parte, pois na minha visão apenas a escolha por convicção é capaz de induzir a verdadeira mudança. Uma escolha por conveniência está sujeita a ser deixada de lado, caso não seja mais “conveniente”. Um fato é que não existe um consenso, uma visão e compreensão uniforme do que seja sustentabilidade. Por isso alguns preferem descrever o que nos torna insustentáveis. O TNS (“The Natural Step”) fala em quatro condições sistêmicas, ou seja, quatro condições para que o nosso sistema seja sustentável. Mas poucos líderes, de fato, levam isso em consideração e realmente a sério. Três destas condições estão relacionadas ao ambiente físico, à biosfera, que é onde se desenvolve a vida: “Aumento sistêmico da concentração na biosfera de substâncias extraídas da crosta terrestre e de substâncias produzidas pelo homem e a degradação por meios físicos”. A quarta condição fala sobre a sociedade e a capacidade das pessoas de satisfazer suas necessidades. Em outras palavras, o modelo econômico atual se baseia na contínua (e crescente) transformação de recursos (naturais ou minerais) em bens. Tal processo, como todos os demais, gera perdas que convencionamos chamar de resíduos.

Ou seja, o discurso é um e a prática é outra.
A falta de sintonia entre discurso e prática é fato e pode ter diferentes causas. Pode ser a simples atitude de marketing, uma ação superficial por pura conveniência momentânea, ou talvez uma incoerência devido à falta de compreensão e de visão de como as coisas estão correlacionadas. Um exemplo contundente é o fato de que, apesar de sabermos dos limites físicos do planeta, tanto de prover recursos como de absorver resíduos – dos quais, muitos que produzimos sequer podem ser “reciclados pela natureza” – continuamos a falar em crescimento, aumento de produção, aumento de consumo. Isso é insustentável. É a contraposição entre crescimento e desenvolvimento, pois nada no mundo, na natureza, cresce indefinidamente. Todos os seres vivos, produto de bilhões de anos de evolução, crescem até certo ponto e depois “apenas” se desenvolvem. A única coisa que cresce (fisicamente) dentro de nós são os tumores, um sinal de que algo está muito errado.

Envolver todos os processos, da diretoria ao chão da fábrica, passando pela cadeia de fornecedores, parece ser o grande dilema para que programas de sustentabilidade funcionem na prática dentro das corporações?

Existe o lado físico da sustentabilidade, relacionado às questões mencionadas acima. Mas tão importante quanto, é o lado social. Um dos pilares da sustentabilidade é a complexidade, onde todos os elos estão interligados, onde todos se influenciam mutuamente. Cada um tem um importante papel a cumprir, devendo ser envolvido para haver maior coerência nas ações e maiores chances de se encontrar uma solução conjunta e que seja, de fato, transformadora e eficiente. Os processos podem ter origens diferentes: alguns começam na diretoria e caminham em direção ao “chão da fábrica”, outros caminham em sentido contrário. Alguns começam nos fornecedores ou nos clientes. Todos são importantes. É claro que um alto escalão convicto e, autenticamente decidido, tem maiores chances de “fazer funcionar”, pois é quem gerencia os recursos, humanos e financeiros, necessários para que ocorra a mudança. As empresas mais engajadas e mais avançadas nesse processo já conseguiram internalizar uma série de conceitos e práticas. Algumas colocaram as questões da sustentabilidade na sua estratégia, como eixo central da sua atuação, e agora partem para influenciar a sua cadeia, especialmente os fornecedores.

Daria para deduzir que o Brasil, assim como a maioria dos países, ainda busca um modelo de economia verde?
Sem dúvida, existe esse movimento fora e dentro do Brasil, mas estamos apenas começando a trilhar esse caminho e precisamos acelerar o passo. Veja, este é o tema central da Rio+20 e de outras iniciativas que antecedem este evento, como a conferência do Instituto Ethos. O PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), por meio do TEEB (The Economics of Ecosystems and Biodiversity) tem trabalhado muito com esse tema. A Conservação Internacional (CI) lançou recentemente (junho de 2011) uma edição do seu periódico Política Ambiental dedicado a esse tema (“Economia Verde: Desafios e Oportunidades”). Precisamos lembrar que a ideia da “economia verde”, apesar de ser um conceito ainda em construção, é ampla e inclui não apenas questões ambientais, mas também questões sociais. Não é o mesmo (apesar de alguns terem essa compreensão) que uma “economia de baixo carbono”, apesar de também envolver esta questão. Trata-se de um modelo econômico que foca em atividades que “aproveitam e potencializam o capital natural, social e humano, considerando em suas decisões os limites do planeta e os interesses sustentáveis da sociedade”, de acordo com o “Green Economy Coalition”.

Quais setores da economia brasileira estão dispostos a buscar soluções de sustentabilidade? Um exemplo talvez seja a parceria Ambev e WWF-Brasil. Mas o que nisso é ação de sustentabilidade e ação de marketing?
Isso é uma referência ao Movimento CYAN, que, segundo a empresa, tem por objetivo “promover o uso consciente da água, um recurso elementar para a vida no nosso planeta” e também fazer com que a empresa assuma o “compromisso de aperfeiçoar sua atuação, por meio de metas arrojadas de redução de consumo de água em seus processos de produção”. Esse é um exemplo que visa trazer a sustentabilidade para a estratégia da companhia. O negócio da AMBEV se baseia no uso intensivo do recurso natural água. Um recurso que, apesar de ter uma quantidade constante no planeta, está se tornando (economicamente) escasso devido ao mau uso, desperdício, poluição, etc. A questão que se apresenta não é a “finitude da água”, mas sim o aumento crescente dos custos de tratamento da água ou mesmo a impossibilidade de remoção de algumas substâncias, tais como os disruptores endócrinos. A empresa percebeu que em alguns lugares seu negócio seria inviabilizado por falta deste recurso e resolveu agir. Não me parece, portanto, uma ação de marketing, mas sim uma ação para possibilitar a continuidade do negócio. É uma iniciativa onde ganha a empresa e ganha a sociedade. É claro que existem incoerências, como em todo o ser humano e em todas as atividades humanas, e o nosso objetivo deve ser constantemente a busca pela coerência. No caso deste setor, por exemplo, sabemos que um dos grandes problemas está relacionado à questão social, especialmente ao consumo de álcool, às questões de saúde e segurança, e à questão dos resíduos sólidos. Todas essas questões precisam ser equacionadas de forma coerente e conjunta.

Ainda é comum empresas atuarem publicamente em projetos ambientais, mas lutarem contra medidas de controle aos danos ao meio ambiente?

Sim, existem exemplos clássicos. Esse é o problema de não agir sistemicamente e de atuar por conveniência. De que serve, por um lado, salvar certa espécie da fauna e por outro intoxicar outras tantas com excesso de poluição? De que adianta gerar energia (“limpa”) renovável às custas da diminuição da biodiversidade, áreas de conservação, extermínio de espécies da flora e da fauna, prejuízo de populações tradicionais e desrespeito à própria constituição? A legislação (até agora) do país é uma das melhores no mundo, mas frequentemente desrespeitada. O debate sobre o código florestal é um bom exemplo. O setor empresarial viu as propostas de alteração como uma possibilidade de redução de custos com ações para a recuperação de passivos ambientais, por exemplo, porém não fizeram a correlação com os serviços ecossistêmicos prestados pelas áreas florestais e o provimento de água e a estabilização climática, entre outros.

No entanto, cresce a percepção de que é preciso criar estratégias de sustentabilidade, até para garantir mais competitividade?
O conceito de competitividade é um dos que precisa evoluir na nossa sociedade. Competitividade não encontra eco na sustentabilidade. O desafio é o da colaboração. Já imaginou o que aconteceria, por exemplo, se o cérebro “resolvesse” competir com o rim, ou outro órgão, por oxigênio? A grande questão é que somos individualistas, seja como cidadãos ou como empresas. É preciso entender que não existe “empresa sustentável”. Ou seremos todos sustentáveis, como sociedade e civilização, ou todos, cedo ou tarde, fracassaremos. É claro, que, olhando para o contexto da empresa, e pensando em um conceito “menos canibal” da competitividade, mas como a possibilidade de permanecer ativo e vivo no mercado, as estratégias de sustentabilidade são vitais. De um lado, por que temos a questão da redução de custos e de riscos e, nesse caso, por exemplo, a eficiência pode ser uma aliada. Por outro lado, é crescente o nível de exigência dos consumidores, de obter produtos mais “responsáveis social e ambientalmente”. O fato é que isso ainda é bastante restrito devido a questões econômicas e culturais, leia-se educação.

O custo para realizar mudanças e a falta de incentivos governamentais, incluindo os fiscais, atrapalha esse avanço para uma economia verde?

Sim, sem dúvida nenhuma. Lester Brown (presidente do Earth Policy Institute) em seu livro “Plano B 4.0 Mobilização para Salvar a Civilização” aponta como um dos fortes mecanismos a mudança de impostos e subsídios. Basicamente significa uma mudança estrutural, que diminua a cobrança de impostos que incidem sobre renda e aumente os impostos das atividades destrutivas da natureza. Nosso modelo de formação de preços de produtos e serviços desconsidera custos indiretos (também chamados de externalidades), por exemplo, custos relacionados à saúde, à poluição, às mudanças climáticas. Um exemplo citado é o do “preço real da gasolina”, onde menciona que um estudo mostra que os custos indiretos (pagos pela sociedade e relacionados às mudanças climáticas, subsídios e reduções fiscais para a indústria petrolífera, proteção ao suprimento de petróleo, tratamento de doenças respiratórias relacionadas às emissões de poluentes atmosféricos) correspondem a um valor 3 vezes o preço do litro de gasolina pago pelo cidadão americano. Se esses custos indiretos fossem de fato computados e internalizados, os carros elétricos, por exemplo, se tornariam viáveis.

Entrevistada
Roberta Simonetti, coordenadora do Programa Finanças Sustentáveis e Sustentabilidade Empresarial da Fundação Getúlio Vargas (FGV)
Currículo

Bacharel e licenciada em Física pela Universidade de São Paulo Mestre em Ciências (Física de Partículas Elementares) e Doutora em Ciências (Mecânica Estatística) pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo
Possui Especialização em Gestão de Sustentabilidade pela EAESP-FGV
Desde 2006 integra a equipe do GVces (Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP) coordenando o Programa de Sustentabilidade Empresarial e Finanças Sustentáveis
Dentre os projetos executados neste programa, destacam-se as metodologias do Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa (ISE) e do Guia Exame de Sustentabilidade, a elaboração da Matriz de Indicadores do Protocolo Verde e o GT da ISO 26000
Atuou por nove anos em instituição financeira internacional, nas áreas de gerenciamento de riscos de mercado e análise quantitativa e, previamente, desenvolveu atividades no campo educacional, ministrando aulas de Física e participando da elaboração do curso de Física do Telecurso 2000, da Fundação Roberto Marinho
Contato: roberta.simonetti@fgv.br

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil