Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Concreto autoadensável: o que é mito e o que é verdade

Área Técnica, Sobre Concreto 21 de setembro de 2016

Em processo de revisão, ABNT NBR 15823 pretende esclarecer dúvidas e permitir que material tenha todo o seu potencial explorado

Por: Altair Santos

Versatilidade do autoadensável ainda é pouco explorada no Brasil

Versatilidade do autoadensável ainda é pouco explorada no Brasil

Inventado no Japão, por volta de 1983, o concreto autoadensável foi apontado como a principal inovação tecnológica do século passado, para a construção civil. No Brasil, chegou por volta do ano 2000. No entanto, suas possibilidades ainda são pouco exploradas no país. Um dos problemas é que há muitos mitos em torno do material, além de interpretações equivocadas do que é e o que não é concreto autoadensável. “Só o fato de o concreto ter fluidez não significa que ele seja autoadensável”, esclarece o professor-doutor da Unisinos-RS, Bernardo Tutikian.

Ainda que entre as características do concreto autoadensável esteja a fluidez, é na resistência à segregação que ele se diferencia de outros materiais que queiram imitá-lo. Outra propriedade importante é a habilidade passante, como lembra Tutikian. “Então, é importante ressaltar: no autoadensável, os agregados não segregam; o autoadensável não tem constituição igual à de argamassa e nem se vibra concreto autoadensável, pois, como o próprio nome diz, se precisasse de vibração ele não seria autoadensável”, explica o especialista, que palestrou sobre o material na recente edição do Concrete Show, realizado na cidade de São Paulo-SP.

Bernardo Tutikian: norma revisada vai realçar potencialidades do concreto autoadensável

Bernardo Tutikian: norma revisada vai realçar potencialidades do concreto autoadensável

Tutikian integra a comissão que revisa a ABNT NBR 15823 – concreto autoadensável. De 11 a 14 de outubro, durante o 58º Congresso Brasileiro do Concreto, promovido pelo Ibracon, e que acontecerá em Belo Horizonte-MG, as seis partes revisadas da norma serão colocadas para consulta pública. “Se não houver um posicionamento mais forte contrário ao que consta na revisão, provavelmente em janeiro ou fevereiro de 2017 ela deverá entrar em vigor”, avalia o professor da Unisinos. A revisão interliga a NBR 15823 a outras normas relacionadas ao concreto, como a ABNT NBR 12655 – Concreto de Cimento Portland – Preparo, controle e recebimento – e a ABNT NBR 6118 – Projeto de estruturas de concreto – Procedimento.

Mais virtudes que defeitos
Mas o principal objetivo da norma revisada é mostrar as oportunidades para o uso do concreto autoadensável. “A Norma de Desempenho (ABNT NBR 15575) trouxe novas exigências, principalmente para paredes de concreto. Entre elas, resistência ao fogo, além de desempenho térmico e desempenho acústico. As paredes concebidas com concreto autoadensável atendem essas demandas. Além disso, a indústria de pré-fabricados tem muito a ganhar com o autoadensável”, frisa Bernardo Tutikian, destacando que o preço do metro cúbico (m³) do material já está bem mais competitivo, comparado com o concreto convencional.

Denise Dal Molin: versatilidade é uma das virtudes do autoadensável

Denise Dal Molin: versatilidade é uma das virtudes do autoadensável

Indo na mesma linha do professor-doutor da Unisinos, a professora e pesquisadora do departamento de engenharia civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Denise Dal Molin, reforçou as características e possibilidades de intensificação do uso do concreto autoadensável. Durante sua apresentação no Concrete Show, ela destacou a versatilidade deste tipo de concreto, que se estende das construções pré-moldadas às mais sofisticadas fachadas, como a do Museu Iberê Camargo, em Porto Alegre-RS. “A tendência é que o autoadensável tenha seu uso ampliado, principalmente por tornar as obras mais sustentáveis, reduzindo o desperdício de materiais e oferecendo mais segurança ao canteiro de obras”, conclui a especialista.

Entrevistados
Engenheiro civil Bernardo Tutikian, professor-doutor da Unisinos-RS e coordenador do itt Performance
Engenheira civil Denise Dal Molin, professora e pesquisadora do departamento de engenharia civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Contatos
bftutikian@unisinos.br, btutikian@terra.com.br
dmolin@ufrgs.br

Crédito Fotos: Divulgação SindusCon-SP e Cia. de Cimento Itambé

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: