Concretagem da base do silo de clínquer da linha 3

Concretagem da base do silo de clínquer da linha 3

Concretagem da base do silo de clínquer da linha 3 150 150 Cimento Itambé

Novo silo terá a capacidade de armazenamento de 56 mil toneladas de clínquer

Por: Michel Mello

A Concrebras realizou nos dias 12, 13 e 14 de novembro a maior concretagem da sua história. A obra foi a base do silo de clínquer da linha 3 de produção de cimento na fábrica da Cia. de Cimento Itambé, em Balsa Nova (PR). O diâmetro da base é de 44,50 m, com altura de 2 m, e o volume de concreto lançado foi de aproximadamente 3.200 m³, com 300 toneladas de aço.

Foram usadas duas centrais para ao fornecimento do concreto, uma na própria fábrica, no município de Balsa Nova; e outra na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). A logística contou com 17 caminhões betoneira.

Bressani: O sucesso desta concretagem se deve ao bom planejamento aliado à uma execução criteriosa

Paulo Bressani, coordenador da área civil da linha 3, afirma que, “o sucesso dessa grande concretagem – que é uma das maiores já feitas pelas empresas envolvidas – está associada ao bom planejamento e detalhamento de todas as atividades que foram feitas com bastante antecedência. Começamos a pensar essa obra com dois meses do prazo”.

A concretagem foi realizada a partir de três bombas lança que trabalharam, simultaneamente, sem parar, lançando o volume médio aproximado de 65 m³/h. A obra teve a participação de cerca de 200 funcionários, entre ajudantes, pedreiros, carpinteiros, eletricistas, mecânicos, motoristas, operadores, técnicos e engenheiros.

Volume

A base do silo de clínquer está apoiada sobre 232 estacas com 1 m de diâmetro por 19,5 m de profundidade, sendo que cada estaca pode suportar uma carga de 470 toneladas. “Ao final da concretagem, este silo da linha 3 terá a capacidade de armazenamento de 56 mil toneladas de clínquer e deve estar pronto para entrar em funcionamento no primeiro trimestre de 2012. Servirá aos fornos das linhas 2 e 3, ainda com a possibilidade de atender uma nova linha 4”, conclui Bressani.

Logística

Fator importante na logística desta concretagem foi a não utilização de gelo, que normalmente é usado em grandes massas de concreto, permitindo assim agilidade no processo de mistura e de lançamento.

Planejamento

A preocupação com os detalhes técnicos dessa concretagem evidencia e destaca o planejamento antecipado. Foram dois meses programando o evento que contou com equipamentos de terraplenagem para manutenção das vias de concretagem, equipamentos de levantamento de cargas, geradores de energia no caso de corte de fornecimento de eletricidade e algumas tendas para proteger os trabalhadores no caso de chuva.

As empresas Bianco e Unidec, ambas do setor de tecnologia, prestaram auxílio em controle tecnológico, estudos técnicos, confirmação dos traços e corpo de provas, além da equipe de técnicos da Concrebras e da Itambé que estiveram presentes. A Serpal Engenharia e Construtora foi a empreiteira contratada para o serviço.

Concrebras

Jorge L. Christófolli

Para Jorge Christófolligerente de desenvolvimento técnico da Cia. de Cimento ItambéDivisão Concreto – Concrebras, “a principal preocupação foi a temperatura gerada na hidratação do cimento, que não poderia ultrapassar o limite de 64°C. Como a estrutura, um bloco dodecaedro com 44,50 m de diâmetro e altura de 2 m, tinha de ser concretado sem juntas frias, a obra teve de ser executada continuamente”, ressalta Christófolli.

Para o gerente: “Uma das dificuldades foi estabelecer a espessura das camadas e a distribuição das bombas de lançamento para que não fosse lançado concreto fresco sobre um concreto já endurecido.  Outro ponto importante foi a formulação do concreto, que tinha de ser concebida visando a menor geração de calor possível”.

Christófolli ressalta que, “essa condição foi atingida com o uso de cimento tipo CP IV-32 POZ – com baixo calor de hidratação –, de adição mineral de sílica ativa, aditivos superplastificantes e plastificante polifuncional”.

Tempo de concretagem

Concretagem do dodecaedro da base do silo do clínquer da Linha 3

O tempo de concretagem foi de 49 horas, sendo lançados 65 m³/hora. A temperatura de lançamento do concreto ficou na ordem de 23°C devido à baixa temperatura ambiente entre 10°C, durante a noite; e 26°C durante o dia. Devido à estocagem prévia de cerca de mil toneladas de cimento CP IV- 32 nos silos da Itambé, esse material já se encontrava presente no local da obra.

O monitoramento das temperaturas no interior do bloco foi feita com o uso de 10 termopares posicionados em pontos estratégicos e com leituras a cada 10 minutos.  O pico térmico ocorreu 72 horas após a concretagem no ponto central do bloco à uma altura de 1,30 m, registrando o valor de 56,5°C.

Números da concretagem

Concreto: 3.200 m³ do concreto fck 30 MPa, a partir de três bombas de concreto e duas centrais dosadoras
Cimento: tipo CP IV-32 POZ
Brita: 2.600 m³
Areia: 2.400 m³
Viagens: 398 viagens de caminhão betoneira com 8 m³
Caminhões: 20 caminhões betoneira
Funcionários: 200 envolvidos em dois turnos contínuos

Entrevistados:

Jorge L. Christófolli
Currículo
– Engenheiro civil pela Faculdade de Engenharia de São Paulo (FESP – SP).
– Pós-graduado em patologia das construções pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
– Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).
– Gerente de Desenvolvimento Técnico da Cia. de Cimento Itambé – Divisão Concreto – Concrebras.
Contato: jorge@concrebras.com.br

Paulo Bressani
Currículo
– Graduado em Engenharia Civil pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).
– Coordenador da área civil da linha 3.
Contato: paulo.bressani@cimentoitambe.com.br

Jornalista responsável: Silvia Elmor – MTB 4417/18/57 – Vogg Branded Content
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil