Censo dos arquitetos revela desafios à profissão

Jeferson Dantas Novolar, presidente do CAU-PR: profissional ainda é visto como desenhista de luxo.

Censo dos arquitetos revela desafios à profissão

Censo dos arquitetos revela desafios à profissão 1020 1024 Cimento Itambé

Sair da informalidade, melhorar a qualificação e levar os profissionais para o interior do país estão entre as prioridades do CAU

Por: Altair Santos

Os arquitetos brasileiros já sabem que desafios precisam superar para que a profissão ganhe novos mercados e obtenha avanços qualitativos. As respostas estão no primeiro censo realizado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU). A pesquisa levantou dados junto a mais de 83 mil profissionais, abordando temas como segmento de atuação, renda, formação, interesses gerais e expectativas quanto ao crescimento do mercado. “Esse levantamento é fundamental para melhorar a gestão e o planejamento de nossa profissão”, explica o presidente do CAU-PR, Jeferson Dantas Navolar, com sede em Curitiba, onde o censo nacional foi apresentado dia 24 de junho de 2013.

Jeferson Dantas Novolar, presidente do CAU-PR: profissional ainda é visto como desenhista de luxo.

Atacar a informalidade que hoje cerca a arquitetura é uma das primeiras prioridades apontadas pelo censo. Atualmente, 80% dos que atuam no país estão nesta condição. “A grande maioria não tem estrutura jurídica por trás, são desenhistas de luxo. “Nós somos educados para fazer gestão, para fazer planejamento, seja de uma residência ou de um espaço público, mas para que possamos exercer estas atribuições necessitamos minimamente de estruturas de organização social ou jurídica que nos dê suporte”, avalia Navolar. Do universo de arquitetos no país, apenas 20% estão constituídos como empresas.

Outro dado trazido pelo censo é que 60% dos profissionais hoje se concentram nos grandes centros urbanos. Interiorizar a profissão é outro desafio à arquitetura. “Não é possível que em um estado como o Paraná, por exemplo, dos 399 municípios 198 não tenham um arquiteto sequer. Como se faz gestão nestes territórios? O Estatuto das Cidades foi criado há 11 anos, mas são outros profissionais que estão se beneficiando dele. Não são arquitetos nem engenheiros, mas sim os lobistas. O resultado é que não temos qualidade nos investimentos em infraestrutura nos municípios. É preciso que o arquiteto chegue a todas as cidades”, avalia o presidente do CAU-PR.

O censo apontou também que são poucos os arquitetos que avançam na qualificação. Dos que responderam ao questionário, 85% se satisfazem com a graduação e apenas 1,5% tem pós-graduação em nível de mestrado. Na avaliação do CAU, isso dificulta a gestão e o planejamento. “Poucos estão teorizando sobre a profissão. Como é possível? Se não se teoriza, não há como apontar soluções para as políticas públicas de habitação e mobilidade, por exemplo”, diz Navolar. “Arquitetura é trabalho intelectual e tem que ser contratado por qualidade e não só por preço”, completa.

O primeiro censo do CAU levou três meses para a coleta de dados e foi respondido espontaneamente por 88% dos 95.169 arquitetos e urbanistas com registro profissional e em atividade no país. Os dados apontaram que 60,5% são mulheres e 39,5% homens. As regiões sudeste e sul concentram a maior parte dos profissionais. A grande maioria tem entre 30 e 35 anos. Um dado interessante é que, por causa da informalidade, quase 34% não contribui para nenhum fundo previdenciário e quase metade não possui imóvel próprio. Também entre os que responderam, a maioria atua na área de concepção de projetos de arquitetura e urbanismo, seguido de execução de projetos e arquitetura de interiores.

Confira todos os dados do censo

Serviço

Para ajudar os arquitetos a saírem da informalidade, o CAU-PR instalou em sua sede o Núcleo de Empreendedorismo, Sustentabilidade e Cidadania (NESC). O objetivo é apoiar os profissionais no processo de constituição de pessoas jurídicas. O núcleo tem o apoio do Sebrae, da Caixa Econômica Federal, da Fomento Paraná, do Banco do Brasil, do Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial – CPCE/FIEP, da Aliança Nosso Paraná Sustentável – ONU, da Associação Comercial do Paraná e do FUNSAU (Fundo de Assistência Social dos Arquitetos e Urbanistas).

Informações:
Telefones: (41) 3244-3117 / (41) 3243-5496
E-mail: atendimento@caupr.gov.br
Sede CAU-PR: Av. N. Sra. da Luz, 2.500 – Curitiba-PR

Entrevistado
Jeferson Dantas Navolar, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU-PR)
Currículo
– Jeferson Dantas Navolar é graduado em arquitetura e urbanismo pela Universidade Federal do Paraná (1983)
– Fez pós-graduação em nível de especialização na área de conservação e restauração de monumentos e conjuntos históricos (CECRE) na Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia (1984)
– Também na UFB, fez mestrado em preservação do patrimônio histórico em Curitiba (2004-2006). O trabalho que resultou na publicação de livro “A Arquitetura Resultante da Preservação do Patrimônio Edificado em Curitiba”
– Foi membro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios ICOMOS/UNESCO (1988), presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-PR) (2008 – 2011) membro do Conselho Nacional de Política Cultural – CNPC (2010 – 2011) e do Conselho Consultivo do IPHAN/MINC (2010 – 2012)
– Desde dezembro de 2011 é presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná
Contato: comunicacao@caupr.gov.br
Créditos foto: Marcus Simão / CAU-PR

Jornalista responsável: Altair santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil