BRICS impulsiona venda de cimento no mundo

BRICS impulsiona venda de cimento no mundo

BRICS impulsiona venda de cimento no mundo 150 150 Cimento Itambé

Países do bloco, do qual o Brasil faz parte, lideram consumo, mas presidente do SNIC avalia que crescimento será moderado a partir de 2012

Por: Altair Santos

Relatório global do setor de cimento, publicado recentemente pela revista britânica International Cement Review, mostra que em 2009 e 2010 o mercado registrou crescimento acentuado em todo o mundo. O documento avalia dados de 160 países e revela que a produção saltou de 2.830 milhões de toneladas em 2008 para 3.294 milhões de toneladas em 2010. Seguindo neste ritmo, há a expectativa de que o crescimento registre recorde em 2012, atingindo 3.859 milhões de toneladas.

José Otávio Carneiro de Carvalho, presidente do SNIC: “O cimento, através do concreto, é culturalmente a base da construção brasileira.”

No Brasil, não é diferente. A indústria cimenteira do país descarta, inclusive, exportar, para investir somente no mercado interno, onde PAC, Olimpíadas, Copa do Mundo e Minha Casa, Minha Vida levam a indústria a planejar aumento de capacidade de 65% em 5 anos, segundo o relatório global da International Cement Review. No entanto, o presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), José Otávio Carneiro de Carvalho, mostra um otimismo moderado.

De acordo com ele, a expectativa de crescimento sustentável vai depender do cenário econômico do país. “O consumo de cimento é muito sensível ao comportamento das condições macroeconômicas. É extremamente sensível, diria. Então, é preciso ver como o Brasil vai combater o retorno da inflação, e quais medidas serão tomadas”, diz, mantendo-se confiante para 2011. “Neste ano, a expectativa é de crescimento na faixa de 8%. A partir daí, não tem como estimar”, avalia.

Para o presidente do SNIC, o bom andamento da indústria de cimento nos próximos anos vai depender das futuras medidas que o governo federal irá tomar em relação ao programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV). Segundo José Otávio Carvalho, o MCMV é mais relevante para a indústria do cimento do que eventos como Copa do Mundo e Olimpíadas. “O Minha Casa, Minha Vida é um programa que já provou ser sustentável. Já Copa e Olimpíadas são apenas indutores de crescimento”, diz.

Dentro de seu otimismo moderado, José Otávio Carvalho crê que, se as medidas governamentais forem corretas, o Brasil tende, a médio prazo, a ultrapassar os Estados Unidos no consumo de cimento. Até por uma questão cultural, avalia. “No mercado brasileiro, o cimento faz parte da cultura da engenharia civil. Não só no emprego de obras de infraestrutura, como na própria construção de edificações, sejam elas habitacionais, comerciais ou industriais. O cimento, através do concreto, é culturalmente a base da construção brasileira”, afirma.

Já os Estados Unidos têm uma predileção pelas estruturas de aço, completa o presidente do SNIC. “O cimento lá é relativamente pouco usado na construção de edificações, onde prevalece o uso de estruturas metálicas. São mercados completamente diferentes. Portanto, se o Brasil tiver realmente uma grande expansão de consumo nos próximos anos, é possível que venha a ultrapassar os Estados Unidos em consumo”, conclui José Otávio Carvalho.

BRICS
O presidente do SNIC avalia que os países que compõem o bloco chamado BRICS – formado por Brasil, Rússia, Índia, China e, agora, África do Sul – é o grande responsável pelo crescimento de consumo no mundo de 2009 para cá. “A Rússia sentiu um impacto maior da crise internacional, mas China, Índia e Brasil atravessaram este período de dificuldades conjunturais do mundo mantendo taxas de crescimento consideráveis de consumo de cimento. Os três foram quase exceção diante do cenário global”, afirma.

Diante do cenário, José Otávio Carvalho acha que é zero o risco de o Brasil enfrentar problemas para abastecer o mercado interno de cimento. “Houve algumas importações pontuais, sobretudo de clínquer, mas elas não foram representativas a ponto de indicar ameaça no abastecimento. Até por que, o setor reagiu exemplarmente e já colocou em marcha a ampliação de suas fábricas e a instalação de novas unidades. É um compromisso da indústria nacional do cimento abastecer o mercado interno”, finaliza.

Evolução da venda de cimento no Brasil em 12 meses.

Regiões do mundo que mais consomem cimento.

Os 10 maiores consumidores de cimento do mundo em 2010.


Entrevistado
José Otávio Carneiro de Carvalho, presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC)
Currículo

– Formou-se em Engenharia de Produção, na PUC-RJ, em 1965.
– Em 1969, concluiu Pós-Graduação em Engenharia Econômica, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
– Entre 1975 e 1978 integrou a equipe de assessoria econômica do então ministro da Fazenda, Mário Henrique Simonsen.
– Trabalha como consultor de empresas e desde 1982, atua no setor de cimento, onde prestou consultoria em diversos projetos.
– Em 2001, foi convidado para o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), onde assumiu a função de Secretário Executivo e depois se tornou vice-presidente Executivo da entidade.
– No início de 2011, assumiu o cargo de presidente do SNIC.
Contato: snic@snic.org.br / adriana.alves@fsb.com.br (assessoria de imprensa)

Créditos:
Infográficos:  Snic / Relatório global do setor de cimento, da International Cement Review
Foto:  Divulgação/SNIC

Jornalista responsável: Altair Santos – MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil