Brasil adere à pesquisa global sobre cimento sustentável

renato_giusti3

Brasil adere à pesquisa global sobre cimento sustentável

Brasil adere à pesquisa global sobre cimento sustentável 542 347 Cimento Itambé

Referência mundial em baixa emissão de CO2, indústria do setor participa de mapeamento tecnológico para qualificar ainda mais seu produto

Por: Altair Santos

A Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), em parceria com o Conselho Mundial de Desenvolvimento Sustentável -Iniciativa do Cimento Sustentável (WBCSD-CSI, na sigla em inglês) e com a Agência Internacional de Energia (IEA), passarão a fazer o mapeamento tecnológico do cimento no Brasil. Conhecido internacionalmente como Cement Technology Roadmap, o estudo prioriza potenciais tecnologias e a redução do consumo de energia e das emissões de gases de efeito estufa pela indústria do setor.

Renato Giusti: modelo em ecoeficência, Brasil tem muito a contribuir com estudo

Para o presidente da ABCP, Renato Giusti, a adesão da indústria do cimento a uma pesquisa de dimensões globais, e da qual Europa e Índia já participam, possibilitará que o Brasil apresente dados de um projeto que há mais de uma década a associação e o SNIC desenvolvem no país. “Graças ao fomento de pesquisas tecnológicas, a indústria brasileira do cimento é hoje a mais ecoeficiente do mundo. Então, nossa participação neste estudo servirá para mostrar nossos avanços, mas também capturar novos conceitos, os quais permitirão nos desenvolvermos ainda mais”, avalia.

O Mapeamento Tecnológico do Cimento-Brasil irá projetar um cenário para 2050, construído sobre a avaliação das tecnologias existentes na indústria nacional e nas que virão a ser incorporadas. “Esta projeção tecnológica de longo prazo permitirá que o país compartilhe pesquisas que buscam a eficiência energética, como combustíveis alternativos, adições ao clínquer e captura e estocagem de carbono. A experiência internacional dentro de um projeto desta dimensão é muito importante”, diz o diretor de Tecnologia da ABCP, Yushiro Kihara, que está à frente do grupo técnico criado para colaborar com a pesquisa.

Competitividade
O mapeamento envolverá ABCP, SNIC e a indústria de cimento, onde serão coletados os dados a serem repassados para o Getting the Numbers Right (GNR) – programa ligado ao WBCSD e que armazena informações da indústria cimenteira de diversos países. A primeira edição do Cement Technology Roadmap ocorreu em 2009 e buscou concentrar dados globais. Em 2013, a Índia foi o primeiro país a aderir. Também no ano passado, o Cembureau (Associação Europeia de Cimento) lançou o seu Roadmap, feito a partir de metodologia própria, sem a participação da IEA e do WBCSD-CSI.

Yushiro Kihara: mapa projeta um cenário até 2050

Para Yushiro Kihara, os resultados do mapeamento servirão para que a indústria nacional se torne mais competitiva e sustentável. “É de grande importância a indústria de cimento brasileira, sendo ela referência, continuar apoiando ações de eficiência energética e de mitigação de emissões, sempre visando um futuro sustentável. Ser referência condiz com o propósito de estar sempre à frente do seu tempo, identificando oportunidades de melhorias de processos e de produtos, e buscando ações para que no futuro o mundo seja mais saudável para todos”, conclui.

Entrevistados
Engenheiro metalúrgico Renato Giusti, presidente da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP)
Geólogo Yushiro Kihara, diretor de Tecnologia da ABCP


Contatos

renato.giusti@abcp.org.br
yushiro.kihara@abcp.org.br
snic@snic.org.br

Créditos Fotos: Divulgação/ABCP

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
VEJA TAMBÉM NO MASSA CINZENTA

MANTENHA-SE ATUALIZADO COM O MERCADO

Cadastre-se no e receba o informativo semanal sobre o mercado da construção civil