Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Banco do BRICS abre mercado para transnacionais de obras

Gestão, Gestão de Obras, Mercado da Construção 7 de agosto de 2014

Análise da ANEINFRA considera que grandes empreiteiras brasileiras terão oportunidade de entrar na China, na Rússia, na Índia e na África do Sul

Por: Altair Santos

Fundado em 14 de julho de 2014, durante a VI Cúpula de Fortaleza-CE, o Banco do BRICS – bloco que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – nasceu com um aporte de US$ 100 bilhões (quase R$ 250 bilhões). Um dos objetivos da nova instituição financeira é contribuir com crédito de longo prazo para investimentos em infraestrutura nos cinco países emergentes. Para o Brasil, essa vocação do banco pode representar a oportunidade para exportar os serviços das construtoras transnacionais do país. “O avanço na infraestrutura abre espaço também para o Brasil, que tem uma indústria competitiva em equipamentos, tem uma engenharia reconhecida internacionalmente e empresas de construção bastante competentes”, avalia Luciano Coutinho, presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Martha Martorelli: dos países do BRICS, Rússia é o que tem a melhor infraestrutura

Compartilha da mesma opinião a presidente da Associação Nacional dos Analistas e Especialistas em Infraestrutura (ANEINFRA) Martha Martorelli. “A ANEINFRA acredita que os recursos oriundos do Banco do BRICS, com seus respectivos critérios, poderão propiciar a ampliação da atuação das empresas transnacionais em outros países, bem como a oferta de empresas estrangeiras no mercado brasileiro”, analisa a dirigente, fazendo uma ressalva: “O aporte neste novo banco representa aproximadamente metade do montante investido no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) pelo governo brasileiro. A execução do PAC no Brasil, ainda muito aquém da totalidade dos investimentos, já faz com que o setor de construção trabalhe no limite de sua capacidade de execução. Apesar de ser interessante agregar recurso dos BRICS, não será tão perceptível o incremento resultante às construtoras”.

Clientes em potencial

Para a presidente da ANEINFRA, Índia e China são os países com mais potencial para contratar os serviços das construtoras transnacionais brasileiras, mas a Rússia – futuro país-sede da Copa do Mundo de 2018 – tem potencial para estabelecer parcerias, por causa do know-how que o Brasil adquiriu em obras de estádios. “As construtoras brasileiras, sem dúvida, podem se constituir em uma alternativa a mais para a Rússia, mas o mais interessante seria conseguir entrar na China. O ritmo frenético dos investimentos em infraestrutura verificado naquele país, nos anos recentes, ilustra a dimensão do déficit que ele busca reduzir”, cita Martha Martorelli, completando que o modelo de desenvolvimento chinês não pode servir de exemplo para o Brasil. “Infelizmente, falta intercâmbio técnico entre os países para considerá-lo como referência”.

Presidentes do BRICS: novo banco internacional tem aporte de US$ 100 bilhões

A dirigente da ANEINFRA, no entanto, não tem convicção de que o Banco do BRICS ou até mesmo as reedições do PAC e do programa Minha Casa Minha Vida, que estão indo para a terceira geração, possam reaquecer a construção pesada. “A retomada dos investimentos em infraestrutura, a partir de 2008, num primeiro momento deparou-se com o sucateamento do setor, após 25 anos sem aportes relevantes. Por isso, o otimismo do setor dependerá de um plano de investimento governamental de médio e longo prazos, que encoraje o segmento a investir na própria capacidade técnica para atender a demanda planejada”, analisa, concluindo que no momento não há como estimar o volume de recursos que o Brasil precisa para recuperar o terreno perdido na área de infraestrutura e nem quais são as obras prioritárias. “A decisão quanto ao investimento carece de planejamento”, finaliza.

Entrevistada
Engenheira com especialização em gestão pública, Martha Martorelli, e presidente da Associação Nacional dos Analistas e Especialistas em Infraestrutura (ANEINFRA)

Contatos
martha martorelli@hotmail.com
diretoria@aneinfra.org.br

Créditos Fotos: Divulgação/Agência Brasil

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: