José Roberto Bernasconi: ainda dá tempo para usar o bom exemplo de Londres 2012 para “salvar” as Olimpíadas de 2016