Cimento Itambé

Portal Itambé
Ligue-nos

Após 50 anos, Ponte da Amizade renova pista de concreto

Área Técnica, Sobre Concreto 25 de fevereiro de 2015

Principal travessia entre Brasil e Paraguai está em obras, recebendo novo pavimento, revisão estrutural e tratamento de patologias

Por: Altair Santos

Enquanto a segunda ponte ligando Brasil e Paraguai não entra na fase de execução das obras, o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) acelera o retrofit da Ponte da Amizade. Principal travessia entre os dois países, a obra foi inaugurada em 1965 e nunca passou por uma reforma intensa. Desta vez, os mais de 500 metros de ponte ganharão novo revestimento em concreto, passarão por uma revisão da infraestrutura e ganharão tratamento de patologias.

Patologias foram identificadas a olho nu ou com o uso de binóculos

A previsão é de que a reforma da Ponte da Amizade esteja concluída até 7 de outubro de 2015. É o que estabelece o contrato assinado entre o DNIT e o consórcio executor (CSO-GAISSLER). A obra está estimada em R$ 10.280.000,00 e não prevê o alargamento da edificação, já que o plano de construção da segunda travessia está em fase de elaboração dos projetos. Isso significa que, mesmo reformada, a ponte continuará enfrentando congestionamentos. Atualmente, ela recebe 40 mil veículos e 20 mil pedestres por dia.

Como as placas de concreto que revestem a Ponte da Amizade estão bastante danificadas pelo uso ininterrupto ao longo de 50 anos, a solução do consórcio que executa a obra foi retirá-las completamente e aplicar um novo pavimento. “As placas de concreto que formam a pista de rolamento da Ponte da Amizade estão trincadas e deterioradas. Por isso, foram demolidas e serão substituídas por outras placas do mesmo material”, diz o engenheiro civil Vicente Veríssimo Jr., supervisor da unidade local do DNIT, em Foz do Iguaçu-PR.

O engenheiro explica também os reparos nas estruturas. “Serão feitos apenas reforços nos balanços laterais da laje, onde estão posicionados os passeios para os pedestres. Haverá a fixação de uma barra metálica para a implantação, em toda a extensão da ponte, de grades especialmente projetadas para melhorar as condições de segurança dos pedestres que se utilizam da travessia”, afirma.

Patologias do concreto
Quanto ao tratamento das patologias do concreto, Vicente Veríssimo Júnior revela como o projeto da reforma irá tratá-las. “Devido à impossibilidade de uma aproximação com relação à parte inferior da ponte (vigas principais, transversinas, pilares e pilones) foi feito um estudo com base em observações à distância, com o uso de binóculos, e a olho nu. Foram estimados percentuais de áreas com patologias a serem tratadas nas seguintes partes da ponte: na superestrutura (2%), no arco (5%), nos pilares (2%), nos pilones (15%) e nos encontros (5%). Foi, também, estimada uma área com patologias a serem tratadas para os guarda-rodas (2%) e os guarda-corpos (10%). Levando-se em conta, que a Ponte da Amizade já está em serviço há cinquenta anos, pode-se dizer que o índice de patologias, em nossa opinião, é baixo”, completa.

O representante do DNIT revela que a segunda ponte entre Brasil e Paraguai encontra-se atualmente na seguinte etapa: elaboração dos projetos básico e executivo da obra. “Após a aceitação deles pelo DNIT, o consórcio vencedor deverá receber a ordem de início de serviço para a execução das obras”, afirma. A nova ponte será estaiada, com

comprimento total de 760 metros e vão central de 380 metros. Sua localização será ao sul da Ponte da Amizade, sobre o Rio Paraná, ligando Foz do Iguaçu ao município paraguaio de Ciudad Presidente Franco. Outra característica técnica é que a obra será construída em concreto protendido e as faixas de rodagem receberão pavimento flexível (asfalto). Para este projeto, o DNIT não exigiu que ele fosse apresentado na modelagem BIM. O consórcio Construbase/Cidade/Paulitec está à frente do empreendimento.

Entrevistado
Engenheiro civil Vicente Veríssimo Jr., supervisor da unidade local do DNIT, em Foz do Iguaçu-PR
Contato: imprensa@dnit.gov.br

Créditos Fotos: Divulgação/DNIT

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330


Leia também: